Friday, 30 March 2012

#Indigenous Leaders In #Brazil And Abya Yala Shut Out Of Rio+20 Process By UN And Elite NGOs / Líderes #indígenas no #Brasil e Abya Yala excluído do Processo de Rio 20 por ONU e as ONGs Elite

(A tradução Português pode ser encontrado logo abaixo do texto em InglêsAs minhas desculpas por quaisquer errosEu tive que usar o Google Translate para este texto, infelizmente.)
Indigenous leaders and organizations in Brazil and Abya Yala (APIB) are speaking out against official efforts to block them from participating in the upcoming United Nations Conference on Sustainable Development, also known as Rio 2012 or Rio+20, to be held in Rio de Janeiro in June.
The following article is cross-posted from The Wrong Kind of Green.
Statement from Indigenous Peoples of Brazil Opposing Interference and Disrespect by States, the United Nations and Corporate Indigenous NGOs
WKOG Editor: At Rio+20 an unethical, corrupt and unfortunate reality continues to unfold. The reality is that of an escalating, internal Indigenous power game which has now reared its ugly head once again at the Rio+20 conference. An existing Indigenous elitist UN group, comprised/inclusive of acquiescent NGOs, has grabbed control over the funding and “official organizing powers”, thus isolating the Indigenous peoples who refuse to bow down to corporate interests and sell out their people. This funding is used in part, to fly in selected Indigenous representatives who NGOs (i.e. Tebtebba) have trained upfront to support REDD, the false solution of a false solution vehemently opposed by ethical Indigenous groups around the globe. Adding further insult to injury, the people being pushed out are those under a national umbrella; indigenous organizations from Brazil – the country hosting the summit.
This is an urgent issue and yet it has been met with resounding silence on International NGO organizing environmental list-servs.
Victoria Tauli Corpus is the Executive Director of Tebtebba (Indigenous Peoples’ International Centre for Policy and Research Education). Corpus is also is a board-member of Conservation International. Both Corpus and the NGO she oversees, that of Tebtebba, work closely with the United Nations (UN Permanent Forum on Indigenous Issues) and have been instrumental in pushing the false solution of REDD forward.
Recently, a contact group on SBSTA REDD Plus was co-chaired by Peter Graham and Victoria Tauli Corpus, producing the SBSTA REDD Plus TEXT.
From Feb 2002 to present Corpus has been a Member of National Selection Committee of the Ford Foundation who has invested heavily in advancing the REDD agenda.
As well, Corpus is a board member of the pre-COP15 corporate creationTckTckTckTckTckTck was  initiated by the United Nations working with one of the largest marketing agencies in the world (Havas), while partnering with many of the most powerful corporations on the planet, in a united effort to “to make it become a movement that consumers, advertisers and the media would use and exploit.”
On March 20,2012 there will be an event at the UN organized by Tebtebba, the Indigenous elite NGO who works closely with the United Nations. This NGO has been instrumental in pushing the false solution of REDD forward. This NGO has chosen an individual that works for  the Bureau of Indian Affairs in Brazil, to be the lead organizer for the indigenous at Rio +20. This Individual clearly represents the government first and foremost, not the Indigenous Peoples of Brazil.
Although an objection letter (Charter of Porto Alegre – see below) is very clear, the response from the UN, the NGOs, and the elite circle of Indigenous “politicians” is that of absolute silence.
Also note the 26 October, 2011 article Manufacturing consent on carbon trading:
“In September 2011, the 64th Annual UN DPI/NGO Conference took place in Bonn, Germany. About 1,500 people from 70 countries turned up. On the third day of the meeting, a remarkable thing happened. Not a single participant at the conference put up their hand to disagree with a declaration which promotes REDD as a carbon trading mechanism.”
Background: Indigenous leaders and organizations in Brazil and Abya Yala (APIB) have been, and continue to be, ignored and isolated from the Rio+20 process. These leaders are told that they do not possess the right to represent their own people and that in the case of Brazil only two NGOs will be recognized as representing all Indigenous for Rio+20: The Intertribal Committee and the National Council of Indigenous Women (CONAMI). These NGOs are coordinated by individuals that are working in the Governmental Department of Indigenous Affairs; the National Indian Foundation (FUNAI), whose protection of corporate interests is first and foremost, superseding rights of indigenous communities. Rightly so, APIB peoples do not recognize dynamics, entities and initiatives that have not been through consultation and coordination with their own people. These cherry-picked NGOs are echoing government indignities by frequently violating APIB’s  right to free, prior and informed consent, a right enshrined in the  Convention 169 of the International Labour Organization (ILO). Because of this, and specifically, to preserve the dignity for their brothers and sisters who are present in Rio, APIB does not recognize nor support the space for discussion of the global agenda of the Rio+20 nor the UN’s Karioka II.
Non-official translation into English by EARTH PEOPLES (POVOS DA TERRA/PUEBLOS DE LA TERRA)
Porto Alegre Charter
We, representatives of indigenous nations and leaders of indigenous organizations in Brazil, members of the organizations that are part of theCoordination of Indigenous Peoples of Brazil – APIB (Articulation of the Indigenous peoples of the Northeast and Minas Gerais states and Espirito Santo – APOINME , Coordination of Indigenous Organizations of the Brazilian Amazon – COIAB; Articulation of Indigenous Peoples of the South – ARPINSUR, Great Guarani People’s Assembly – ATY GUASU; Articulation of Indigenous Peoples of the Pantanal – ARPIPAN and Articulation of Indigenous Peoples of the South East – ARPINSURESTE ) gathered in the city of Porto Alegre, State of Rio Grande do Sul, Brazil, during 29 to 31 January 2012, after participating in the Social Forum with the theme: Crisis of capitalism, social and environmental justice and after participating at the Social Movements Assembly , held from 24 to 28, and facing the People’s Summit and the United Nations Conference on Sustainable Development, Rio + 20, which will be held in June this year in the city of Rio de Janeiro.
Given the different processes of organization, preparation and participation for Rio + 20 Conference, we express to our sister organizations Abya Yala, Coordinator of Indigenous Organizations of the Amazon Basin (COICA), Coordinator of Indigenous Organizations of the Andres (IOTC), Indigenous Council of Central America (CICA) and other indigenous organizations in this continent and of the world, our position on these processes.
First – When considering the importance of the issues and specific topics that are on the United Nations agenda, because of its obvious impact on the lives of our peoples, we state our disagreement with the way how the “official system”, in some cases coordinated by indigenous on the national and international level, have proceeded, by putting individuals in charge of organizing the global agenda on issues that affect us.
Second – We condemn the fact that our leaders and organizations in Brazil and Abya Yala have been, up to this moment, ignored (and left out) in these processes, saying that these do not represent our people and in the case of Brazil that there are only two organizations that would be the representative, the Intertribal Committee and the National Council of Indigenous Women (CONAMI).
Third – We want to clarify to our brothers and sisters of Brazil and of the world that these organizations are coordinated by individuals that are working in the governmental department of Indigenous Affairs, the National Indian Foundation (FUNAI), a questionable affiliation for our indigenous communities. While our organizations, like any social organization can have its problems, in the history of the Brazilian indigenous movement, we are the actors, we struggle together with and for our bases. Under the coordination of APIB, we have been important in our actions against dynamics and incidences against our people and organizations by the national government.
For these struggles in institutional spaces and especially our concrete struggles taking place on the ground, in defense of our lands and territories, against (large scale landowners) companies, monoculture, agribusiness, mega-projects such as hydroelectric dams, ports, roads and mining and quarrying (logging, mining and others), many of our leaders of our local organizations and associations have been killed, persecuted and imprisoned illegally. In the year 2010, 63 of our brothers were killed, and so far the culpits have not been tried and convicted by the Brazilian justice, the perpetrators and planners.
We will not allow that this reality and history of struggle will be disrespected and ignored.
Fourth – Given these facts, we reaffirm that we do not recognize dynamics, entities and initiatives that haven’t been through consultation and coordination with our organizations, that are doing exactly what governments do, they
frequently violate our right to free, prior and informed consent, a right enshrined in the Convention 169 of the International Labour Organization (ILO). Specifically, to preserve the dignity for our brothers and sisters who are
there, we do not recognize (support) that the space for discussion of the global agenda of the Rio +20 and other issues that affect us as indigenous peoples is Karioca II.
Karioka II is an official ((governmental, UN system, specific foundations and non-governmental organizations funded by…)) initiative and clearly detached from the social and political reality of the specific problems of our peoples and communities.
Fifth – We reaffirm to all our brothers and sisters, to governmental bodies, NGOs and the diverse political, social and grass-root movements in Brazil and to those of the world that the space for discussions on the global agenda and the specific agenda of the indigenous peoples and communities will be the Free Land Camp (Acampamento Terra Livre – ATL), for the sake (concept) of “Living Well” and “Full ((Healthy, Intact)) Life” in Rio de Janeiro, in the context of the People’s Summit and the ((Rio+20)) Conference of the United Nations.
We clarify that the Free Land Camp so far has been the largest political action that our people and organizations have developed every year since 2004, gathering over 1000 indigenous leaders to discuss their problems, demands,
recommendations and collective proposals to the Brazilian State. This year we decided to do the same in Rio de Janeiro, in order to internationalize our common efforts and in the hope to create a space of convergence for and with our brothers and sisters of the world that come to the Global Peoples Summit and the UN Conference.
Sixth – Finally, we call on all peoples, organizations and indigenous leaders from Brazil and the world to get together with us in order to show governments and transnational corporations, that despite the geographical distance, language and
other differences, we are united, we have similar problems, rights, needs and aspirations for which we will fight and influence the various national and international levels during and beyond the Rio + 20.
For the Good Living and Full Life of Our Peoples.
Articulation of Indigenous Peoples of Brazil – APIB
Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brazil, January 31, 2012
Spanish Version: Español_RIO+20

Líderes e organizações indígenas no Brasil e Abya Yala (APIB) estão se manifestando contra os esforços oficiais para bloqueá-los de participar da próxima Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, também conhecida como Rio 2012 ou Rio +20, a ser realizada no Rio de Janeiro em junho.

O artigo seguinte é cruzada lançado a partir do tipo errado de Green.

Declaração de Povos Indígenas do Brasil Opondo Interferência e desrespeito pelos Estados, as Nações Unidas e ONGs indígenas Corporativas

WKOG Editor: No Rio +20 uma realidade antiético, corrupto e infeliz continua a se desenrolar. A realidade é que de uma escalada jogo de poder, interno Indígena que já elevou sua cabeça feia, mais uma vez na Rio +20 conferência. Um grupo indígena existente ONU elitista, composta / inclusive de ONGs aquiescente, agarrou o controle sobre o financiamento e oficiais "poderes de organização", isolando os povos indígenas que se recusam a se curvar aos interesses corporativos e vender as suas pessoas. Este financiamento é usado em parte, para voar em determinados representantes indígenas que ONGs (ie Tebtebba) treinaram inicial para apoiar o REDD, a falsa solução de uma falsa solução se opôs veementemente pela éticos grupos indígenas ao redor do globo. Adicionando insulto à injúria mais, as pessoas sendo empurradas para fora são aqueles sob um guarda-chuva nacional; organizações indígenas do Brasil - o país anfitrião da cúpula.

Esta é uma questão urgente e ainda que tenha sido recebida com silêncio retumbante em ONG Internacional organizar ambiental lista de servs.

Victoria Tauli Corpus é o Diretor Executivo da Tebtebba (Centro Indígena Internacional para Política e Pesquisa em Educação). Corpus é também é um membro do conselho da Conservation International. Ambos Corpus e da ONG que ela supervisiona, que de Tebtebba, trabalhar em estreita colaboração com as Nações Unidas (ONU Fórum Permanente sobre Assuntos Indígenas) e tem sido fundamental para empurrar a falsa solução de REDD para a frente.

Recentemente, um grupo de contacto para SBSTA REDD Plus foi co-presidido por Peter Graham e Victoria Tauli Corpus, produzindo o REDD SBSTA mais o texto.

De fevereiro 2002 a Corpus presente tem sido um membro do Comitê de Seleção Nacional da Fundação Ford, que tem investido fortemente no avanço da agenda REDD.

Como assim, Corpus é um membro do conselho da TckTckTck criação pré-COP15 corporativa. TckTckTck foi iniciado pelas Nações Unidas trabalhando com uma das maiores agências de marketing em todo o mundo (Havas), enquanto que em parceria com muitas das empresas mais poderosas do planeta, em um esforço conjunto para "fazê-lo tornar-se um movimento que os consumidores, anunciantes e os meios de comunicação passaria a usar e explorar. "

Em março de 20,2012 haverá um evento na ONU organizado pela Tebtebba, a ONG Indígena elite que trabalha em estreita colaboração com as Nações Unidas. Esta ONG tem sido fundamental para empurrar a falsa solução de REDD para a frente. Esta ONG optou por um indivíduo que trabalha para o Departamento de Assuntos Indígenas no Brasil, para ser o principal organizador para os povos indígenas no Rio +20. Este indivíduo representa claramente o governo em primeiro lugar, não os Povos Indígenas do Brasil.

Apesar de uma carta de reclamação (Carta de Porto Alegre - veja abaixo) é muito clara, a resposta da ONU, as ONGs, eo círculo de elite Indígenas "políticos" é a do silêncio absoluto.

Observe também a 26 de outubro de "Manufacturing Consent sobre o comércio de carbono" 2011 artigo:

"Em setembro de 2011, o 64 Anual das Nações Unidas DPI / NGO Conferência teve lugar em Bonn, Alemanha. Cerca de 1.500 pessoas de 70 países apareceram. No terceiro dia do encontro, uma coisa notável aconteceu. Nem um único participante na conferência de colocar a sua mão para não concordar com uma declaração que promove o REDD como uma mecanismo de comércio de carbono ".

Antecedentes: Os líderes indígenas e organizações no Brasil e Abya Yala (APIB) têm sido, e continuará a ser, ignorado e isolado da Rio +20 processo. Esses líderes são informados de que eles não possuem o direito de representar seu próprio povo e que, no caso do Brasil apenas duas ONGs será reconhecido como representando todos Indígena de Rio +20: O Comitê Intertribal e do Conselho Nacional de Mulheres Indígenas (CONAMI ). Essas ONGs são coordenados por pessoas que estão trabalhando no Departamento Governamental de Assuntos Indígenas; Fundação Nacional do Índio (FUNAI), cuja proteção dos interesses corporativos é antes de tudo, substituindo direitos das comunidades indígenas. E com razão, os povos APIB não reconhecem dinâmica, entidades e iniciativas que não passaram por consulta e coordenação com o seu próprio povo. Essas ONGs escolhidas a dedo estão ecoando indignidades do governo por violar o direito freqüentemente APIB para consentimento livre, prévio e informado, a. Direito consagrado na Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT) Devido a isso, e, especificamente, para preservar a dignidade para seus irmãos e irmãs que estão presentes no Rio, APIB não reconhecer nem apoiar o espaço para discussão da agenda global da Rio +20, nem da ONU Karioka II.

não-oficial, tradução para o Inglês por TERRA DOS POVOS (Povos da Terra / Pueblos DE LA TERRA)

Carta de Porto Alegre

AOS NOSSOS IRMÃOS E IRMÃS, povos e organizações indígenas DO BRASIL E DO MUNDO

Nós, representantes de nações indígenas e líderes de organizações indígenas no Brasil, os membros das organizações que fazem parte da Coordenação dos Povos Indígenas do Brasil - APIB (Articulação dos Povos Indígenas do Nordeste e Minas Gerais e Espírito Santo - APOINME, Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira - COIAB; Articulação dos Povos Indígenas do Sul - ARPINSUR, Assembléia Grande Povo Guarani - ATY Guasu, da Articulação dos Povos Indígenas do Pantanal - ARPIPAN e Articulação dos Povos Indígenas do Sudeste - ARPINSURESTE) reunidos na cidade de Porto Alegre, Estado do Rio Grande do Sul, Brasil, durante 29-31 janeiro de 2012, depois de participar do Fórum Social com o tema: Crise do capitalismo, social e justiça ambiental e após a participação na Assembléia dos Movimentos Sociais , realizada de 24 a 28, e de frente para a Cúpula dos Povos e da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, Rio + 20, que será realizada em junho deste ano na cidade do Rio de Janeiro.

Tendo em conta os diferentes processos de preparação, organização e participação para a Conferência Rio + 20, expressamos a organizações irmãs Abya Yala, Coordenadora das Organizações Indígenas da Bacia Amazônica (COICA), Coordenadora das Organizações Indígenas do (CAOI) Andres, Conselho Indígena da América Central (CICA) e outras organizações indígenas deste continente e do mundo, a nossa posição sobre estes processos.

Primeiro - Ao considerar a importância das questões e temas específicos que estão na agenda das Nações Unidas, por causa de seu impacto óbvio na vida dos nossos povos, reafirmamos a nossa discordância com a maneira como o "sistema oficial", em alguns casos, coordenado por indígenas em nível nacional e internacional, têm procedido, colocando os indivíduos encarregados de organizar a agenda global sobre as questões que nos afetam.

Segunda - Nós condenamos o fato de que nossos líderes e organizações no Brasil e Abya Yala têm sido, até o momento, ignorado (e deixado de fora) nestes processos, dizendo que estes não representam o nosso povo e, no caso do Brasil, que há são apenas duas organizações que seria o representante, o Comitê Intertribal e do Conselho Nacional de Mulheres Indígenas (CONAMI).

Terceiro - Queremos esclarecer aos nossos irmãos e irmãs do Brasil e do mundo que estas organizações são coordenados por pessoas que estão trabalhando no departamento governamental de Assuntos Indígenas, a Fundação Nacional do Índio (FUNAI), a filiação questionável para as nossas comunidades indígenas . Enquanto as nossas organizações, como qualquer organização social pode ter seus problemas, na história do movimento indígena brasileiro, nós somos os atores, lutamos juntos com e para as nossas bases. Sob a coordenação da APIB, que têm sido importantes em nossas ações contra a dinâmica e incidências contra nossas pessoas e organizações por parte do governo nacional.

Para essas lutas em espaços institucionais e, sobretudo, a nossa luta concretas ocorrendo no chão, em defesa de nossas terras e territórios, contra proprietários de terras (grande escala), empresas, monocultura, agronegócio, os mega-projetos como usinas hidrelétricas, portos, estradas e mineração e pedreiras (exploração madeireira, mineração e outros), muitos dos nossos líderes de nossas organizações e associações locais foram mortos, perseguidos e presos ilegalmente. No ano de 2010, 63 dos nossos irmãos foram mortos, e até agora os culpits não tenham sido julgados e condenados pela justiça brasileira, os autores e planejadores.

Não vamos permitir que esta realidade e da história de luta serão desconsiderados e ignorados.

Quarta - Diante desses fatos, reafirmamos que não reconhecemos dinâmica, entidades e iniciativas que não passaram por consulta e coordenação com as nossas organizações, que estão fazendo exatamente o que os governos fazem, eles freqüentemente violam nosso direito ao consentimento livre, prévio e informado, a. direito consagrado na Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT) Especificamente, para preservar a dignidade de nossos irmãos e irmãs que estão
lá, nós não reconhecemos (suporte) que o espaço para discussão da agenda global da Rio +20 e outras questões que nos afetam como os povos indígenas é Karioca II.

Karioka II é um funcionário ((sistema governamental, ONU, fundações específicas e organizações não-governamentais financiadas por ...)) iniciativa e claramente separada da realidade social e política dos problemas específicos de nossos povos e comunidades.

Quinta - Reafirmamos a todos os nossos irmãos e irmãs, aos órgãos governamentais, ONGs e os diversos movimentos políticos, sociais e grama de raiz no Brasil e os do mundo que o espaço para discussões sobre a agenda global ea agenda específica da povos indígenas e comunidades será o Acampamento Terra Livre (Acampamento Terra Livre - ATL), para o bem (conceito) de "Viver Bem" e "Vida ((Saudável, Intacto)) Full" no Rio de Janeiro, no contexto da Cúpula dos Povos e da Conferência ((Rio +20)) das Nações Unidas.

Esclarecemos que o Acampamento Terra Livre até agora tem sido a maior ação política que o nosso povo e as organizações têm desenvolvido todos os anos desde 2004, reunindo mais de 1000 lideranças indígenas para discutir seus problemas, demandas,

recomendações e propostas coletivas para o Estado brasileiro. Este ano decidimos fazer o mesmo no Rio de Janeiro, a fim de internacionalizar os nossos esforços comuns e na esperança de criar um espaço de convergência para e com os nossos irmãos e irmãs do mundo que vêm para a Cimeira Global dos Povos e das Nações Unidas Conferência.

Sexta - Finalmente, apelamos a todos os povos, organizações e lideranças indígenas do Brasil e do mundo para se reunir conosco, a fim de mostrar aos governos e corporações transnacionais, que, apesar da distância geográfica, língua e outras diferenças, estamos unidos, temos problemas semelhantes, os direitos, necessidades e aspirações para o qual vamos lutar e influenciar os níveis nacional e internacional durante e após a Rio + 20.

Para o Bem Viver e vida das nossas populações.
Articulação dos Povos Indígenas do Brasil - APIB
Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil, 31 de janeiro de 2012

Versão espanhola: Español_RIO+20

Un Verde Mas Oscuro: REDD Y El Futuro De Los Bosques (#indígena) / A darker green: REDD and the Future of Forests (#indigenous) / Um verde mais escuro: REDD eo Futuro das Florestas (#indígena)

Originalmente publicado por Intercontinental Cry en

(The English translation follows immediately below the Spanish text)

(A tradução Português segue logo abaixo do texto em Inglês)

Mientras las políticas y programas para Reducir las Emisiones producidas por la Deforestación y Degradación (REDD) y para aumentar la captación de carbono en los bosques (REDD+) están promovidos alrededor del mundo por las élites globales y nacionales, los pueblos indígenas y otras comunidades que dependen de los bosques nos alertan sobre los serios impactos negativos que estos programas producirán en el futuro — además de no reducir los riesgos y amenazas de la crisis climatica. Este documental de 28 minutos presenta las preocupaciones sobre REDD desde la perspectiva de la gente más afectada. Con entrevistas y testimonios de México, Brasil, Panamá, Filipinas, Indonesia, Nepal, Uganda, India, y California.
While policies and programs for Reducing Emissions from Deforestation and Degradation (REDD) and to increased carbon sequestration in forests (REDD +) are promoted around the world by the global elites, national indigenous peoples and other communities forest-dependent alert us to the serious negative impacts that these programs occur in the future - in addition to not reduce the risks and threats tothe climate crisis. This documentary presents 28-minute concerns about REDD from the perspective of the people most affected. With interviews and testimonials from Mexico, Brazil, Panama, Philippines, Indonesia, Nepal, Uganda, India, and California.

Embora as políticas e programas de Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação (REDD) e para aumentar o sequestro de carbono nas florestas (REDD +) são promovidos em todo o mundo pelas elites globais e nacionais dos povos indígenas e outras comunidades que dependem da floresta nos alertar para os graves impactos negativos que esses programas ocorrem no futuro - além de não reduzir os riscos e ameaças para a crise climática. Este documentário de 28 minutos apresenta preocupações sobre REDD a partir da perspectiva das pessoas mais afectadas. Com entrevistas e depoimentos de México, Brasil, Panamá, Filipinas, Indonésia, Nepal, Uganda, Índia, e na Califórnia.

Tuesday, 27 March 2012


(The English translation alternates with the Portuguese text below)

É bonito e inspirador lembrar que por mais que o mundo e seus egoísmos do capital tentem nos doutrinar pra ser o que eles (os do poder) querem, a gente sempre vai ter a alternativa de ser o que quisermos, o que sonharmos, o que pensarmos e principalmente o que praticarmos… podem até nos matar, tirar nossa vida, mas o nosso direito de escolha de ser e sentir o que quisermos, isso eles nunca vão poder roubar da gente!!!

It's beautiful and inspiring to remember that while the world and their selfishness of capital to try to indoctrinate us to be what they (the government) want, we will always have the choice to be whatever we want, what you dream, what mostly what we think and practice ... may even kill us, take our lives, but our right to choose to be and feel what we want, that they will never be able to steal from us!
Uma bonita frase que estava junto da tirinha no facebook: “La esperanza está en los sueños de los niños…”. A beautiful phrase that was along the strip on facebook: "Hope lies in dreams of children...".