Tuesday, 31 January 2012


Trazido a minha atencaio por @PersonalEscrito via Twitter
Brought to my attention by @PersonalEscrito via Twitter

SITUAÇÃO ATUAL DOS MORADORES DO PINHEIRINHO - Relato de quem foi lá ver. Horror!!!

Faces, bom dia! São 3h05 minutos, estou dormindo em São Jose dos Campos, com a minha amiga Claudia.

Os 4 campos de concentração (desculpem-me, não vejo expressão mais adequada) são horríveis. E a tendência é piorar.Os locais cheiram estranho, o cheiro do medo, pois não existem locais suficientes para as pessoas se cuidarem, fazerem a higiene pessoal. A saúde em risco. Privacidade é coisa de outro planeta por aqui.

Precisamos montar um ponto de comunicação para que eles aprendam a se defender. Celular não funciona com eficiência nos locais onde estão os alojados. Coloquem a boca no trombone e me acompanhem, pois a polícia simplesmente nos coloca para fora, basta que queiramos mostrar o que está contecendo. 

Não pude filmar ou fotografar o segundo alojamento, Escola Caíque Dom Pedro Segundo. Sensação de medo, tristeza, álcool, angústia é o que se vê nos olhos dos nossos irmãos.

Todos juntos, crianças e adultos nas mesmas camas. Centenas de colchões no chão, luzes acesas em plena madrugada. Ninguém descansa. 

Mas tem algo que é absurdamente estranho e bonito ao mesmo tempo, alguns deles agradecem, e muito... querem saber o por quê?  A resposta é: - Filha (me chamam de filha sempre), meus filhos estão vivos. Meu marido, mulher está vivo. 

Que inferno é este?

Alguns receberam 500,00 para o aluguel, mas pense bem: onde 500,00 paga o aluguel de uma família de 10 ou mais pessoas?

O terreno do Pinheirinho é um filme de horror. Cheiro de morte, restos de animais assassinados, cães em sua maioria.

Por favor, não desistam, perseverem! Precisamos do Brasil vigiando esta situação. Juntos, somos UM! Amor pra quem teve a paciência de ler até aqui.


CURRENT STATUS OF THE RESIDENTS OF PINHEIRINHO - report of who was there to see. Horror!

Good morning! It is 3:05 a.m. I'm sleeping in Sao Jose dos Campos, with my friend Claudia.

The four camps (excuse me, I see no more appropriate expression) are horrible. There is a strange smell, the smell of fear, because there is not enough room for people to look after themselves, for personal hygiene. There are health risks. Privacy is something from another planet here.

We need to build a communication point for them to learn to defend themselves. Phones does not work well in the areas where they are housed. Please help us make noise about this! To raise awareness and join me, simply because the police has thrown us out, we want to just show what is going on.

I could not film or photograph the second housing area, Dom Pedro II School Caique. A feeling of fear, sadness, alcohol, anxiety is what you see in the eyes of our brothers.

All together, children and adults are in the same beds. Hundreds of mattresses are on the floor, lights are turned on at dawn. No one rests.

But there's something that is absurdly strange and beautiful at the same time, some of them acknowledge, much ... want to know what it is?  The answer is:  - they say my daughter (daughter always calls me), my children are alive. My husband, the wife is alive.

What the hell is this?

Some received 500.00 for rent, but think about it: where is it possible to pay 500.00 rent for a space for a family of 10 or more people?

The situation in Pinheirinho is that of a horror movie. Smell of death, the remains of murdered animals, mostly dogs.

Please do not give up, persevere! We need Brazil to be watching this. Together we are ONE! Love for those who had the patience to read this far.

The story of Ahmed #Doma's unjust imprisonment #Egypt

Writtten by Rana Khazbak under the original title 'The story of one activist's unjust imprisonment' and originally posted by the Egypt Independent at http://www.egyptindependent.com/node/630721

Cartoon originally published by Latuff Cartoons 
Five days after activist Ahmed Doma suddenly disappeared, his family and lawyers finally managed to contact him Tuesday morning in Tora prison. They say that Doma is in good health, despite suffering humiliating treatment at a prison in Tanta during the first 20 days of his detention.
“We were able to visit him today in Tora prison and he said he is being treated well… and is in good health,” said Norham Hefzy, Doma’s fiancé.
Doma has spent 30 days in detention pending investigation after he was arrested on 4 January and charged with setting fire to the Institut d’Egypte during December clashes between protesters and military forces in downtown Cairo. The violence, which left 17 people dead and hundreds injured, erupted after military forces violently dispersed a sit-in in front of the cabinet building.
Before being transferred to Tora, Doma was detained in Tanta governorate, upon his lawyers’ request, in order to attend law school exams at his university nearby.
His family has been searching for him in both prisons for the past week. Prison officials had told them he was not in their custody.
Hefzy told Egypt Independent that the revolutionary activist was harassed in the Tanta prison.
“An investigations police officer tore up Doma’s clothes and took away his shoes and threatened to punish him if he leaked any information outside the prison,” she said.
Doma is charged with damaging public property, assaulting public workers, obstructing traffic and unlawful assembly, according to Ali Soliman, one of his lawyers. On 19 January, the court rejected an appeal to release him from detention, he said.
Soliman submitted a complaint to the general prosecution Tuesday and received a permit that allows Doma’s family and defense team to visit him in the future.
According to Ahmed Helmy, who leads Doma’s defense team, a civilian submitted the lawsuit against Doma and supported his accusations with a video taken with his cell phone. However, Doma doesn’t appear in the video, which Doma’s accuser claims was taken during the clashes.
“The video is taken during the night in very dim lighting where two men appear from the back sitting on the ground in front of the cabinet building,” said Helmy. Doma’s accuser says that there are molotov cocktails next to the two men in the video.
“These are the same accusations against activists that used to be leveled during Mubarak regime,” said Helmy.
The other video being used against Doma in the investigations is a recording of a live TV interview with him on the private satellite channel Dream 2, where he said: “I hereby admit that I was throwing molotovs with the protesters, not at the building per se, but in the face of soldiers who were gunning us down from the top.”
During the interrogation, when asked about that video, Doma defended himself and said that his words were not literal. Rather, he argued that he was defending the revolutionaries who were being killed.
“There is no case against him and no evidence for the charges,” said Helmy.
Thousands of protesters marched in solidarity with Doma from general prosecution headquarters to the Parliament building on Tuesday. The demonstrators asked MPs to support the long-time activist and pressure the Supreme Council of the Armed Forces to immediately hand over power.
“Doma is one of the most dedicated activists I’ve ever met in my life, more than any one of us. And all the time, he is being punished for loving his country,” said Yasser al-Hawary, member of the Youth for Justice and Freedom movement in which Doma is a member.
Doma has a long history of activism. He was detained several times before and imprisoned twice, first in 2008 when he spent a year in prison for joining the ranks of Palestinian fighters during Israel’s war on Gaza, and again shortly before the revolution began last year, when he was sentenced to three months in prison for participating in a protest against the regime.
Protesters marched carrying pictures of Doma and signs that read “Free Doma” and “Government, where is Doma?” The chanted: “Doma is one of us and we won’t abandon him” and “Down with military rule.”
Hawary accused the SCAF of violating revolutionaries’ rights and slammed what he called “bias” in the investigations.
“We know for a fact that there isn’t an independent institution in our country. We have been fighting for the independence of the judiciary since the beginning of the revolution but nothing happened,” added Hawary.
“Doma’s arrest is a continuation of the suppression and violations that we faced before the revolution and which we insist have to end.”

Movimento #Contraoaumento volta com protestos no Centro de THE

Postado originalmente por 180graus em http://www.180graus.com/geral/movimento-contraoaumento-volta-com-protestos-no-centro-de-the-492493.html
Trazido a minha atenção por @EdwardPhysics via Twitter
(To be translated into English by tomorrow night)
Atualizada às 19h45Como não havia nenhum ônibus passando na Praça do Fripisa, os manifestantes seguiram para a praça João Luiz Ferreira, onde mais uma vez fizeram ‘catracagem’ e os passageiros não precisaram pagar passagem nos coletivos. Mais uma vez os ônibus deixaram de circular naquela região porque desviavam para evitar passar pelo protesto. Em seguida s participantes do movimento seguiram para a sede do Simdserm onde se reuniram para definir os protestos do dia seguinte.  
Atualizada às 18h58
Os manifestantes foram até a praça do Fripisa onde mais uma vez pararam os ônibus fazendo os passageiros entrarem pelas portas traseiras sem pagar passagem e mais uma vez os ônibus deixaram de passar por ali, desviando o caminho por outras ruas. 
Atualizada às 18h05
Os manifestantes saíram mais uma vez da frente do supermercado Bompreço e seguem pela avenida Frei Serafim na via que vai para a Zona Leste, somente nesse sentido o tráfego de veículos está parcialmente bloqueado. Os ônibus circulam normalmente. 
Atualizada às 17h48
Por alguns instantes os ônibus pararam de circular pela avenida Frei Serafim, os estudantes então continuaram em caminhada, seguindo na via em direção à Zona Leste.

Mas deram a volta no cruzamento com a rua Pires de Castro voltando para frente do supermercado Bompreço ao perceberem que os ônibus voltaram à via e continuaram a parar os veículos fazendo com que os motoristas abrissem as portas de trás para que os passageiros não pagassem a tarifa.  
Atualizada às 17h22Os estudantes ocupam a Frei Serafim, neste momento estão em frente ao supermercado Bompreço onde param somente os ônibus e solicitam que os motoristas abram a porta de trás para que os passageiros entrem sem pagar passagem, ação conhecida como ‘catracagem’.
Alguns motoristas resistem, mas não há conflito. Um grande congestionamento se forma nesta via, as demais transcorrem na normalidade. Policiais da PM acompanham sem esboçar reação. Populares acompanham do parapeito do supermercado.
Atualizada às 16h05O numero de manifestantes aumentam e afirma que antes das 18h não sairão, pois mais integrantes do movimento se juntarão ao manifesto.
“Quem vai parar a nossa luta é só Jesus Cristo, essa companheirada vai mostrar para esses moleques que foram lá na prefeitura que aquele acordo foi uma mentira, o Fórum foi criado para defender um transporte público de qualidade, ninguém teve coragem de enfrentar o Setut, mas nós estamos aqui”, disse o manifestante Chiquinho no microfone.
Atualizada às 15h28
Os manifestantes estão reunidos no canteiro central da Avenida Frei Serafim, eles não ocupam a via, mas um carro de som está estacionamento e representantes do movimento fazem seus protestos.
“O movimento está começando praticamente do zero. Depois daquele acordo fajuto com a prefeitura estamos de volta, ainda vamos nos reunir para definir como ficará o protesto, se será diário ou se volta semana que vem, quando muitas escolas voltam às aulas”, disse Sinésio Soares, presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Teresina (SINDSERM).
Um grupo de cerca de 60 manifestantes está reunido com bandeiras e cartazes e fazem distribuição de um material informativo à população que fala do aumento da passagem, o acordo de entidades estudantis com a prefeitura além da solidariedade aos moradores da comunidade Pinheirinho em São Paulo.   
Atualizada às 10h50Os protestos #ContraOAumento volta esta segunda-feira (30/01) no centro da capital. Durante a manhã um carro do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Teresina (SINDSERM), percorreu escolas e ruas convidando a sociedade a participar do movimento.
Por volta de 7h o cara estava na avenida Frei Serafim e no microfone um manifestante reclamava do aumento da passagem da tarifa de ônibus bem como outras exigências feitas pelo movimento, como a municipalização do transporte publico na capital.
Os protestos começaram no dia 2 de janeiro, quando houve alteração do valor da passagem de R$ 2,10 para R$1,90. Durante 12 dias movimentos estudantis e sociais estiveram nas ruas, mesmo com a polícia, que tentou coibir de forma violenta os manifestos.
No dia 18 de janeiro alguns líderes estudantis se reuniram com o prefeito e entraram em acordo sobre as exigências. Quase nada mudou, apenas os prazos de complemento da integração foi mudado e por esse motivo, parte do movimento decidiu continuar protestando.

Audiências Públicas discutem violações no #Pinheirinho / Public Hearings discuss violations in #Pinheirinho

Postado originalmente por Solidariedade a Ocupacao Pinheirinho em http://solidariedadepinheirinho.blogspot.com/2012/01/audiencias-publicas-discutem.html

(The English translation follows immediately below the Portuguese one)

Uma comissão de membros do Condepe (Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana) realizará nesta segunda feira, dia 30, uma audiência pública em São José dos Campos, para tratar do caso Pinheirinho e dos relatos e denúncias da desocupação violenta que a polícia realizou na área.

A audiência está marcada para as 19h, no plenário da Câmara Municipal de São José dos Campos.

No plenário, os parlamentares, advogados, jornalistas, militantes de direitos humanos, movimentos sociais e voluntários presentes poderão ouvir os relatos e denúncias das famílias sobre a desocupação.

Após a invasão brutal realizada pela Polícia, os moradores do Pinheirinho foram levados para abrigos criados pela Prefeitura. As condições são precárias e os moradores foram amontoados em situação desumana, sem o mínimo respeito.

Além dos depoimentos, serão apresentadas fotos e vídeos para apuração dos fatos e encaminhamentos à Defensoria Pública e ao Ministério Público. Denúncia às instâncias internacionais de Defesa dos Direitos Humanos não estão descartados.

Próxima audiência é na Alesp

Na próxima quarta-feira, dia 1º de fevereiro, uma nova audiência pública sobre a situação dos desabrigados do Pinheirinho será realizada na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp).

Os moradores participarão da audiência, juntamente com entidades, movimentos sociais, representantes da Defensoria Pública e do Ministério Público para denunciar a ação dos governantes e da Polícia.

A partir das discussões e denúncias colhidas nas duas audiências será preparado um dossiê para registrar e entregar ao Condepe.

“A iniciativa é um avanço na luta contra a criminalização dos movimentos sociais. Por isso, é muito importante a presença de todos os ativistas nessas audiências”, afirma Antonio Donizete Ferreira, o Toninho.

“Todos os envolvidos nessa desocupação ilegal e truculenta devem ser responsabilizados”, finalizou.


A committee of members of Condepe (State Council of Defense of Human Rights) held this Monday, April 30, a public hearing in Sao Jose dos Campos, to address the allegation of the violent police eviction that was conducted in Pinheirinho.

The hearing was scheduled for 19h, the floor of the Municipality of Sao Jose dos Campos.

In the plenary session, parliamentarians, lawyers, journalists, human rights activists, social movements and present volunteers heard the reports and complaints from families about the eviction.

After the brutal invasion carried out by police, residents  from Pinheirinho were taken to shelters created by the Municipality. The conditions there were poor and residents were crammed in under inhumane conditions, without the slightest respect.

In addition to interviews, photos and videos were presented to verify the allegations and for the purpose of referrals to the Public Defender and the Public Prosecutor. Reporting will also occur to international bodies for the Defense of Human Rights so that this situation is not discarded/forgotten/swept under the table.

Next hearing is in Alesp

Next Wednesday, February 1st, a new public hearing on the situation of homeless Pinheirinho will be held at the Legislative Assembly of São Paulo (Alesp).

Residents can attend the hearing, along with bodies, social movements, representatives of the Public Defender and the Public Ministry to denounce the action of the government and police.

From the discussions and reports collected in the two hearings a record will be prepared to deliver and file with Condepe.

"The initiative is a breakthrough in the fight against the criminalization of social movements. So it is very important the presence of all the activists in these hearings, "said Antonio Ferreira Donizete, Toninho.

"Everyone involved in this violent and illegal eviction should be held accountable," he added.

Monday, 30 January 2012

Rosane Bertotti: O protesto no #Pinheirinho

Postado originalmente por Vi O Mundo em http://www.viomundo.com.br/denuncias/rosane-bertotti-o-protesto-no-pinheirinho.html

Trazido a minha atenção por @ maria_fro

Um resumo Inglês é fornecido imediatamente abaixo do texto original Português. And English Summary is provided immediately below the Portuguese text.

Ato no Pinheirinho abrirá agenda de lutas após o FST 2012

Assembleia dos Movimentos Sociais, que reuniu 1,5 mil pessoas na Usina do Gasômetro, sábado, em Porto Alegre, aprovou realização de um ato público no terreno desocupado do Pinheirinho, em São José dos Campos (SP), no dia 2 de fevereiro às 9 horas. “Vamos fazer um grande ato na próxima quinta-feira (2) em repúdio a esse governo fascista de Geraldo Alckmin, que não respeita a democracia nem os movimentos sociais”, disse Rosane Bertotti, representante da CUT e coordenadora da assembleia.
Porto Alegre – Uma das características mais marcantes do Fórum Social Temático 2012, encerrado domingo (29) em Porto Alegre, foi a disposição demonstrada por diversos setores dos movimentos sociais brasileiros para revitalizar suas mobilizações de rua e assumir nos próximos meses uma agenda de lutas que já começa logo após o Fórum. Maior exemplo dessa disposição foi a aprovação, feita durante a Assembleia dos Movimentos Sociais que reuniu 1,5 mil pessoas na Usina do Gasômetro, de um ato no terreno desocupado do Pinheirinho, em São José dos Campos (SP), para o dia 2 de fevereiro às 9 horas.
O objetivo dos movimentos é tornar a resistência em Pinheirinho um símbolo da retomada da ascensão das lutas sociais no país: “O governo fascista de Geraldo Alckmin massacrou os trabalhadores, massacrou aquela ocupação. Estão há 20 anos no Governo de São Paulo e continuam não dando o direito ao diálogo e ao processo social para aqueles que se organizam para ter direito à moradia. Vamos fazer um grande ato na próxima quinta-feira (2) em repúdio a esse governo que não respeita a democracia nem os movimentos sociais”, disse Rosane Bertotti, representante da CUT e coordenadora da assembleia.
A desocupação do Pinheirinho, assim como a da Cracolândia, no centro da capital de São Paulo, também foi citada por Luiz Gonzaga da Silva, o Gegê, vice-presidente da Central de Movimentos Populares: “A luta nos centros urbanos cresce em todo o país, haja vista à cidade e ao estado de São Paulo, que a direita escolheu como palco de seu enfrentamento aos movimentos sociais”, disse o líder comunitário, que sugeriu a inclusão de um tópico específico sobre a luta urbana na carta dos movimentos sociais aprovada durante a assembleia.

Presidente da Confederação Nacional das Associações de Moradores (Conam), Bartiria Lima Costa também defendeu “a inclusão da crise urbana como parte da crise capitalista” no documento final dos movimentos sociais no FST 2012: “Aquilo que aconteceu no Pinheirinho é uma barbárie que não pode mais acontecer neste país que tem leis para resolver problemas como esse. O problema são os governantes antidemocráticos”, disse.
Já as entidades do movimento socioambientalista presentes ao FST 2012 programaram para o dia 6 de fevereiro a unificação de diversas manifestações nos estados em uma jornada nacional de lutas em defesa do Código Florestal: “Temos de garantir grandes mobilizações nos estados. Vamos para a frente das Assembleias Legislativas fazer um barulho para ser ouvido em Brasília”, disse Mário Mantovani, que é coordenador da organização SOS Mata Atlântica.

A maioria das organizações ambientalistas aprovou uma agenda de lutas para o primeiro semestre de 2012, até a realização da Conferência da ONU sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, que acontecerá em junho.
O Fórum Brasileiro de ONGs e Movimentos Sociais pelo Meio Ambiente (FBOMS), aliado às diversas redes regionais, pretende fazer uma intensa mobilização de suas bases: “O objetivo é fazermos o máximo de encontros possíveis, em todos os estados e todos os biomas brasileiros, até o final de março ou princípio de abril. Assim, chegaremos com um alto grau de mobilização à Rio+20”, diz Rubens Born, que faz parte da coordenação do FBOMS.

Estudantes e mulheres
Os estudantes também fecharam durante o FST 2012 uma ampla agenda de lutas para o primeiro semestre. Secretário-executivo da Organização Continental Latino-Americana e Caribenha de Estudantes (OCLAE), Mateus Fiorentini propôs a convocação para os próximos dois meses, em data a ser ainda precisada, de um dia continental de lutas em defesa da educação pública e contra a criminalização dos movimentos sociais: “Temos condições de fazer uma jornada de luta em toda a América Latina, do México à Patagônia”, prometeu.
Representante da Marcha Mundial das Mulheres, organização que também adotou uma agenda de lutas até a Rio+20, Tica Moreno reafirmou os eixos que irão orientar as mobilizações dos movimentos sociais no primeiro semestre: “Nossa articulação se dará em torno de eixos como a luta contra as transnacionais, a luta pela justiça climática e pela soberania alimentar, a luta para banir a violência contra as mulheres, a luta pela paz e contra a guerra, o militarismo e a ocupação dos nossos territórios. Vamos identificar quais os pontos que nos unem e o que podemos fazer em termos de ação concreta e mobilização real e massiva em todo o mundo”, disse.


English summary was provided by @alxguxcci:
Resumo Inglês foi fornecido por @alxgucci:

FST 2012 promises massive mobilization of social movements

The General Assembly of Social Movements, which brought together 1,5 thousand people on Saturday, in Porto Alegre, approved an action/event in the evicted area of Pinheirinho in São José dos Campos (#SJC). According to Rosane Bertotti, representative from CUT and assembly coordinator, the event will take place on February 2nd at 9am and will "protest the fascist government of Governor Geraldo Alckmin who doesn't respect democracy or social movements".

The objective of the coordination between the different movements is to turn the resistance of Pinheirinho into a symbol of the resumption of struggle of the movements that represent social struggles in Brazil.

The eviction of #Cracolandia in downtown São Paulo was also mentioned by Luiz Gonzaga da Silva, vice-president of the Popular Movements Forum. The president of Conam (National Confederation of Residents) Bartiria Lima Costa also defended the "inclusion of the urban crisis as a part of the capitalist crisis" in the final document of the FST (Social Themed Forum 2012), adding that "what happened in Pinheirinho must not occur again in a country that has laws to solve problems such as this one. The problem is the antidemocratic governments."

The social environmental movements present at FST set their protest date to the 6th of February, unifying diverse protests in several states in defense of the Forestry Code Bill. "We have to guarantee mobilizations in all the states. We are going to make ourselves heard at the legislative assemblies", said Mário Mantovani, coodinator of the organization SOS Mat Atlântica. Most environmental organizations approved the agenda for the first semester of 2012, which includes the Rio+20 Conference on Sustainable Development in June.

The FBOMS (Brazilian ONG Forum and Social Movements for the Environment), allied to several regional networks, aims to maximize their gathering potential in all the twenty-six states of Brazil (plus the Federal District) "in order to reach the highest possible degree of mobilization at Rio+20", said Rubens Born, coordinator of FBOMS.

Executive secretary of OCLAE (Organization of Latin American and Caribbean students), Mateus Fiorentini, proposed the establishing of a continental landmark date in defense of public education and against the criminalization of social movements, adding, "we have conditions to make a crusade in all of Latin America, from Mexico to Patagonia.

Tica Moreno, representative of the Worldwide Women's March, also adopted an agenda of protests until Rio+20. "Our fight will be against the transnationals, for the climate justice, food sovereignty, the fight to ban violence against women, the fight for peace and against war, militarism and occupation of our territories. We will identify which points unite us and what we can do in terms of concrete action and massive mobilization across the world."