Tuesday, 11 September 2012

Urgent appeal: Details regarding the ill-treatment of Nabeel Rajab and Zainab Al-Khawaja in prison of #Bahrain / Apelo urgente: Detalhes sobre os maus-tratos de Nabeel Rajab e Zainab al-Khawaja na prisão do #Bahrein

Originally posted by the Bahrain Center for Human Rights at http://www.bahrainrights.org/en/node/5407

Postado originalmente por o Bahrain Center for Human Rights em http://www.bahrainrights.org/en/node/5407

A tradução Português (infelizmente feito usando o Google Translate) pode ser encontrado logo abaixo do texto original em Inglês.

09 Sep 2012
Gulf Center for Human Rights and Bahrain Center for Human Rights express their grave concern for the information received regarding ill-treatment of detained human rights defenders Nabeel Rajab and Zainab AlKhawaja in prison of Bahrain, as well as the continued exploitation of the judicial system to punish human rights defenders and hinder their peaceful and legitimate human rights work, as detained activists Zainab AlKhawaja is facing up to 13 cases, in addition to a 3 months imprisonment sentence issued against here on made-up charges.

Ill-treatment of imprisoned leading human rights defender Nabeel Rajab

Further to the last update published by the GCHR and BCHR about ill-treatment of the imprisoned Human Rights Defender Nabeel Rajab in Bahrain prison by putting him in solitary confinement (read it here), GCHR and BCHR have received additional details in that regard.
Sumaya Rajab, wife of human rights defender Nabeel Rajab, stated that she met Nabeel (4 September 2012) in Jaw Prison for the first time in three weeks.
Sumaya confirmed that Nabeel is subjected to degrading conditions and ill-treatment through repeated personal inspections, whereby they take off all his clothes during the inspection and leave him with only a small piece of fabric to cover his private areas. He said he was subjected to deliberately humiliating inspections.

With regards to being put in solitary confinement in August, Nabeel told Sumaya that he was taken to solitary on the day he was sentenced to three-years imprisonment, which seems to indicate a desire for revenge and punishment, and added that the atmosphere of the cell suggested to him that he would be exposed to “repeated meals of severe torture.”
She continued by saying that in his solitary cell, Nabeel was stripped of all his clothes, forced to wear a small piece of fabric ("a wrapper") only, then forced to stand and sit 40 times as part of the physical torture he suffered despite the fact that he suffers from a herniated disc in his back, and has requested a special medical belt to help cope with the recurrence of pain. He was also hit on the back by security forces several times previously.
Sumaya said that Nabeel does not know how many days he spent in that cell, because he could not tell day from night. In addition to the cell being generally dirty, Nabeel reported that there was also a dead cat in the cell.
Sumaya confirmed that Nabeel doesn't eat the food he's given by the prison guards because he does not trust them, so he has lived for nearly two months on what is left of his corn flakes cereal and some canned food, as he's allowed to buy from the prison cafeteria only once a week. Also, he's allowed to only take 6 liters of water per week, although he suffers from kidney and gallbladder stones.
Sumaya said that for the first time in two months Nabeel ate cooked food today, as his family was able to give him a sandwich. He is prohibited from having sugar as well.

She continued saying that the prison administration refused to give Nabeel an electric shaver which she brought after Nabeel was refused shaving blades she brought the last time. As a result, he cannot shave and looks inappropriate, which she considers is one of the degrading actions committed against him.
She said that the prison administration forces Nabeel to wear very small flip-flops, which he uses everywhere, even in court. And he's only allowed to have two pieces of clothing and two pairs of underwear.
Sumaya confirmed that in spite of all this suffering, Nabeel's psychological state is very strong and that he always raises the victory sign.
But in other upsetting news, Sumaya said police denied them their right to meet Nabeel for the full duration of a prison visit, which is one hour, as they were permitted to stay only 25 minutes with him. They strongly objected and refused this abusive treatment, which led officers in charge to scream at them, insisting they leave.
According to Sumaya, the security officials justified this act by saying that it was late and that the police wanted to go home to their children, which Sumaya considered a clear provocation intended to harass and pressure them. She said that Nabeel didn't see his own children in three weeks, not even for a day, and they are wasting their one-hour visit causing a controversy.
Sumaya said that Nabeel is still isolated from the rest of the political prisoners and prisoners of conscience, languishing in a common cell with 3 or 4 criminal prisoners, and he's not allowed to see anyone who enters the jail.
Sumaya confirmed that she sent a letter in the hands of her son Adam to the President of Jaw Prison Mohammed al-Husseini, demanding the transfer of Nabeel to the same area as other political prisoners and prisoners of conscience, as he's the only one isolated from them deliberately. But al-Husseini’s response was to derisively claim that this is the best treatment he can provide to Nabeel, and directed Sumaya to make any complaint to the Department of Legal Affairs.
Sumaya said that lawyers also met with the President of Jaw Prison for the same reason but he was stubborn and said, "Forget it." Sumaya confirmed that she herself had met Husseini previously for the same reason, where he claimed that this is not considered a prison isolation legally, because Nabeel is sentenced to 3 months only and can't be placed with the rest of sentenced prisoners. However, Nabeel is now sentenced to 3 years in prison, but he's still isolated from other prisoners of conscience to this day, without any explanation.
In their treatment of Nabeel Rajab, the authorities in Bahrain are actively violating several articles and conventions, including the Universal Declaration of Human Rights and The Convention against torture. Article 5 of the UDHR reads: “No one shall be subjected to torture or to cruel, inhuman or degrading treatment or punishment”.
GCHR and BCHR consider the treatment of Nabeel Rajab degrading and therefore in clear violation to several international conventions and treaties.
By not taking enough measures to prevent torture in their territory of its jurisdiction, Bahrain has violated the entire Convention against torture, which they signed and ratified in 1998. The state of Bahrain is furthermore continuously ignoring the UN “Standard Minimum Rules for the Treatment of Prisoners”, which since its creation in 1955, sets out the minimum standards regarding for example clothing, hygiene, food, inspections and medical services for prisoners, which creates very severe consequences for prisoners like Nabeel Rajab and Zainab Alkhawaja.

Chain of judicial harrasments against detained human rights defender Zainab AlKhawaja and ill-treatment at prison

Activist and human rights defender Zainab AlKhawaja is detained since 2 Aug 2012 after she was arrested following protesting alone in Al Qadam roundabout. She has been injured earlier in her leg when security forces shot her with tear gas canisters at a close range, resulting in the injury, refer to
Zainab Alkhawaja currently has thirteen cases against her, 7 of them are active at the court, including the case of ripping a picture of the king.
On Sep 2012 alone, the court will be holding sessions in 3 cases against activist Zainab AlKhawaja on which she is accused with:
1- Damaging King’s photo on May 2012, the coming hearing session will be on 10 Sep 2012, and she is currently detained for this case.
2- Participating in a demonstration that was not notified about and entering a restricted zone which is the “pearl roundabout area” on Feb 2012, the coming hearing session will be on 25 Sep 2012 (Background about this case:bahrainrights.hopto.org/en/node/5048).
3- Assembling on AbuSaiba roundabout Dec 2011, and inciting hatred against the regime, the coming hearing session will be on 26 Sep 2012. (Background about this case: bahrainrights.hopto.org/en/node/4906
Zainab has been already sentenced in several cases, to hundreds dinars fines and to imprisonment, she has been detained for several weeks on several occasions, and in one case she has been sentenced to 3 months imprisonment on 22 May 2012 for charges of assembling and disrupting traffic in Aali in November 2011, when she stood to stop the riot police from attacking the mourners of a man killed by the regime of Bahrain (video:youtube.com/watch?v=nPl-x7DGrao ) on 10 Oct 2012 the court of appeal will be hearing pleading in this case as the sentence has not yet been carried. And on 16 Oct 2012 the court of appeal will hold session on the case of insulting an official at the military hospital, while the court has previously acquitted Zainab but the public prosecution has appealed against the acquittal. On 1 Nov 2012 the court will hold a session on the case of “Disrupting traffic near the financial harbour in April 2011”.
GCHR and BCHR have also received information that the public prosecution is still investigating into more cases against Zainab AlKhawaja where she is accused with “assembling and disrupting traffic”.
GCHR and BCHR believe that the continued detention and prosecuting of Zainab Al-Khawaja is directly linked to both her work in the defense of human rights and democracy in Bahrain and her exercise of freedom to peaceful assembly and freedom of expression in accordance with the Universal Declaration of Human Rights. The organizations see this as part of an ongoing trend of harassment of human rights defenders in Bahrain which targeted the leading Human rights defender Nabeel Rajab with similar judicial harassments that concluded with giving him a 3 years sentence (refer to bahrainrights.org/en/node/5387).
GCHR and BCHR are very concerned for the physical and psychological welfare of human rights defender Zainab Al-Khawaja, specially that she was not allowed to see her specialized doctor to monitor the condition of her injured leg since she was detained on 2 Aug 2012. By denying Zainab proper medical attention for her injury, Bahrain is violating article 25 of the UDHR regarding the right to health as well as the previously mentioned “Standard Minimum Rules for the Treatment of Prisoners”
Similar to many other children in Bahrain who’s parent or parents are imprisoned, Zainab’s daughter Jude had to celebrate her third birthday without her mother today, last year her father was imprisoned during this special day. Her father wrote on twitter “I haven’t wept when I was arrested, tortured, physically and sexually humiliated, when I first saw my family after more than two months, when I was sentenced for four years imprisonment or when after ten months I was released, now I weep because I see Jude without her mother on her birthday”. To further harass Zainab and her family, her request to visit her father in prison was denied and she was not allowed to give her daughter a paper duck she had made for her birthday. In addition, Zainab’s request to visit her imprisoned father the human rights defender Abdulhadi AlKhawaja was rejected.

The BCHR and GCHR call on the Government of Bahrain to:
1. Immediately release detained human rights defender Nabeel Rajab and Zainab Al-Khawaja and drop all charges against them, as it is believed that these measures have been taken against them solely due to thier legitimate and peaceful work in the defense of human rights, and the exercise of freedom to peaceful assembly and freedom of expression in accordance to the Universal Declaration of Human Rights;
2. Immediately and unconditionally release all prisoners of conscience and activists including leading human rights defender Abdulhadi Al-Khawaja.
3.Immediatly put an end to the practice of torture and the ill-treatment of prisoners in Bahrain and bring those responsible to justice.
4. Guarantee in all circumstances that all human rights defenders in Bahrain are able to carry out their legitimate human rights activities without fear of reprisals, and free of all restrictions including judicial harassment.
We reiterate our call on the international community to put real pressure on the government of Bahrain to stop the acts of ill-treatment practiced on leading human rights defenders and to release them immediately as we believe they have been targeted solely for their legitimate human rights activities.

09 de setembro de 2012
Golfo Centro de Direitos Humanos e do Centro de Bahrein para os Direitos Humanos expressam sua profunda preocupação com as informações recebidas sobre maus-tratos de detidos defensoras dos direitos humanos Nabeel Rajab e AlKhawaja Zainab na prisão de Bahrain, bem como a exploração contínua do sistema judicial para punir defensores dos direitos humanos e impedem o seu pacífico e legítimo trabalho de direitos humanos, como os ativistas detidos Zainab AlKhawaja está enfrentando até 13 casos, além de uma pena de prisão de 3 meses, emitido contra aqui na inventadas acusações.

Maus-tratos de presos líder defensor dos direitos humanos Nabeel Rajab
Na sequência da última atualização publicada pelo GCHR e BCHR sobre maus-tratos de detentos defensor dos direitos humanos Nabeel Rajab na prisão Bahrain, colocando-o em confinamento solitário (leia aqui), e GCHR BCHR ter recebido mais detalhes a esse respeito.
Sumaya Rajab, esposa do defensor dos direitos humanos Nabeel Rajab, afirmou que ela conheceu Nabeel (04 de setembro de 2012) na prisão de Jaw, pela primeira vez em três semanas.
Sumaya confirmou que Nabeel é submetido a condições degradantes e maus-tratos através de repetidas inspeções pessoais, com que tirar todas as suas roupas durante a inspeção e deixá-lo com apenas um pequeno pedaço de tecido para cobrir suas áreas privadas. Ele disse que foi submetido a inspeções deliberadamente humilhantes.
Com relação ao que está sendo colocado em confinamento solitário em agosto, disse Nabeel Sumaya que ele foi levado para a solitária no dia em que foi condenado a três anos de prisão, o que parece indicar um desejo de vingança e punição, e acrescentou que a atmosfera do célula sugeriu a ele que estaria exposta a "Refeições repetidos de tortura severa".
Ela continuou dizendo que em sua cela solitária, Nabeel foi despojado de todas as suas roupas, forçados a usar um pequeno pedaço de tecido (um "wrapper"), só então forçado a ficar de pé e sentar-se 40 vezes, como parte da tortura física que sofreu apesar do fato de que ele sofre de uma hérnia de disco nas costas, e pediu um cinto especial médica para ajudar a lidar com a recorrência da dor. Ele também foi atingido na traseira por forças de segurança várias vezes anteriormente.
Sumaya disse que Nabeel não sabe quantos dias ele passou na cela, porque ele não poderia dizer o dia da noite. Além da célula sendo geralmente sujo, Nabeel relataram que houve também um gato morto na célula.
Sumaya confirmou que Nabeel não come a comida que é dada pelos guardas da prisão porque ele não confia neles, então ele viveu por quase dois meses em que está à esquerda do seu cereal de flocos de milho e um pouco de comida enlatada, como ele está autorizado a comprar do refeitório prisão só uma vez por semana. Além disso, ele está autorizado a levar apenas 6 litros de água por semana, embora ele sofre de pedras nos rins e vesícula biliar.
Sumaya disse que pela primeira vez em dois meses Nabeel comeu alimentos cozidos, hoje, como sua família foi capaz de dar a ele um sanduíche. Ele está proibido de ter açúcar também.
Ela continuou dizendo que a administração da prisão se recusou a dar Nabeel um barbeador elétrico que ela trouxe após Nabeel foi recusado lâminas de barbear que ela trouxe da última vez. Como resultado, ele não pode fazer a barba e parece inapropriado, o que ela considera é uma das ações degradantes cometidos contra ele.
Ela disse que a administração da prisão força Nabeel usar muito pequeno flip-flops, que ele usa em todos os lugares, até mesmo no tribunal. E ele só pode ter duas peças de roupa e dois pares de roupa íntima.
Sumaya confirmou que, apesar de todo esse sofrimento, estado psicológico Nabeel é muito forte e que ele sempre levanta o sinal da vitória.
Mas em notícias perturbadoras outro, Sumaya disse que a polícia negou-lhes o direito de se reunir Nabeel para a duração total de uma visita à prisão, que é de uma hora, como eles foram autorizados a ficar apenas 25 minutos com ele. Eles opôs fortemente e se recusou este tratamento abusivo, o que levou os oficiais a cargo de gritar com eles, insistindo que eles saiam.
De acordo com Sumaya, os oficiais de segurança justifica esse ato, dizendo que era tarde e que a polícia queria ir para casa com seus filhos, que Sumaya considerados uma provocação clara intenção de assediar e pressioná-los. Ela disse que Nabeel não viu seus próprios filhos em três semanas, nem mesmo por um dia, e eles estão perdendo a sua visita de uma hora causando uma polêmica.
Sumaya disse que Nabeel ainda está isolada do resto dos presos políticos e prisioneiros de consciência, definhando em uma cela comum com 3 ou 4 presos criminais, e ele não tem permissão para ver quem entra na cadeia.
Sumaya confirmou que ela enviou uma carta nas mãos de seu filho Adam ao Presidente da mandíbula Prisão Mohammed al-Husseini, exigindo a transferência de Nabeel para a mesma área como outros prisioneiros políticos e de consciência, como ele é o único isolado los deliberadamente. Mas a resposta de al-Husseini era ironicamente afirmam que este é o melhor tratamento que ele pode oferecer para Nabeel, e dirigido Sumaya para fazer qualquer reclamação ao Departamento de Assuntos Jurídicos.
Sumaya disse que os advogados também se reuniu com o presidente da Prisão de Jaw, pelo mesmo motivo, mas ele era teimoso e disse: "Esqueça isso." Sumaya confirmou que ela mesma havia conhecido anteriormente Husseini, pela mesma razão, onde ele afirmou que isso não é considerado um isolamento prisional legalmente, porque Nabeel é condenado a 3 meses apenas e não pode ser colocado com o resto de presos condenados. No entanto, Nabeel agora é condenado a 3 anos de prisão, mas ele ainda está isolado de outros prisioneiros de consciência para este dia, sem qualquer explicação.
Em seu tratamento de Nabeel Rajab, as autoridades do Bahrein estão ativamente violar vários artigos e convenções, incluindo a Declaração Universal dos Direitos Humanos ea Convenção contra a tortura. Artigo 5 º da DUDH diz: "Ninguém será submetido a tortura ou a tratamentos cruéis, desumanos ou degradantes".
GCHR e BCHR considerar o tratamento de Nabeel Rajab degradante e, portanto, em clara violação de várias convenções e tratados internacionais.
Ao não tomar medidas suficientes para prevenir a tortura no seu território de sua jurisdição, Bahrein violou a Convenção contra a tortura toda, que assinou e ratificou em 1998. O estado do Bahrein é, além disso continuamente ignorando as Nações Unidas "Regras Mínimas para o Tratamento de Prisioneiros", que desde a sua criação em 1955, estabelece as normas mínimas relativas, por exemplo, vestuário, higiene, alimentação, inspeções e serviços médicos para os presos, que cria consequências muito graves para os prisioneiros como Nabeel Rajab e Alkhawaja Zainab.
Cadeia de harrasments judiciais contra detidos defensor dos direitos humanos Zainab AlKhawaja e maus-tratos na prisão
O ativista de direitos humanos e defensor Zainab AlKhawaja está preso desde 2 de agosto de 2012 depois de ter sido preso depois de protestar sozinho no Al Qadam rotunda. Ela foi ferida no início perna quando forças de segurança atiraram nela com bombas de gás lacrimogêneo em uma estreita faixa, resultando em lesão, referem-se a bahrainrights.org/en/node/5354

Zainab Alkhawaja tem atualmente 13 casos contra ela, sete deles estão ativos na corte, incluindo o caso de rasgar uma foto do rei.
Em setembro 2012 sozinho, o tribunal vai realizar sessões em três casos contra ativista Zainab AlKhawaja em que ela é acusada com:
1 - foto Rei adverso sobre maio de 2012, a sessão de audiência que vem será em 10 de setembro de 2012, e está atualmente detido para este caso.
2 - Participar de uma demonstração de que não foi notificado sobre e entrar numa zona restrita, que é a "área de pérola rotunda" em Fev de 2012, a sessão de audiência que vem será em 25 de setembro de 2012 (fundo sobre este caso: bahrainrights.hopto.org / en/node/5048).
3 - Montagem em AbuSaiba dezembro rotunda de 2011, e incitar o ódio contra o regime, a sessão de audiência que vem será em 26 de setembro de 2012. (Fundo sobre este caso: bahrainrights.hopto.org/en/node/4906
Zainab já foi condenado, em vários casos, a multas dinares e centenas de prisão, ela foi detida durante várias semanas em várias ocasiões, e em um caso que foi condenado a três meses de prisão em 22 de Maio de 2012, para os encargos de montagem e interrompendo tráfego em Aali em novembro de 2011, quando ela se levantou para impedir a polícia de choque de atacar os enlutados de um homem morto pelo regime do Bahrein (video: youtube.com / watch v = NPL-x7DGrao) em 10 de outubro de 2012, o Tribunal de recurso será ouvir pleito, neste caso, como a sentença ainda não foi realizado. E em 16 de outubro de 2012 do tribunal de recurso vai realizar sessão sobre o caso de um funcionário insultar no hospital militar, enquanto o Tribunal de Justiça já absolvido Zainab, mas o Ministério Público recorreu da absolvição. Em 01 de novembro de 2012 o tribunal vai realizar uma sessão sobre o caso do "tráfego Perturbar perto do porto financeiro em abril de 2011".
GCHR e BCHR também receberam informações de que o Ministério Público ainda está investigando em mais casos contra Zainab AlKhawaja onde ela é acusada de "montagem e interrompendo o tráfego".
GCHR e BCHR acreditam que a continuidade da detenção e acusação de Zainab al-Khawaja está diretamente ligada ao seu trabalho, tanto na defesa dos direitos humanos e da democracia no Bahrein e seu exercício da liberdade de reunião pacífica e à liberdade de expressão, de acordo com a Declaração Universal dos Direitos Humanos. As organizações vêem isso como parte de uma tendência contínua de perseguição dos defensores dos direitos humanos no Bahrein, que o alvo principal defensor dos direitos humanos Nabeel Rajab com as mesmas perseguições judiciais que concluiu com dando a ele uma sentença de três anos (veja para bahrainrights.org/pt/node/5387).
GCHR e BCHR estão muito preocupados com o bem-estar físico e psicológico de defensor dos direitos humanos Zainab al-Khawaja, especialmente que ela não tinha permissão para vê-la médico especializado para monitorar a condição de sua perna ferida desde que foi detido em 2 de agosto de 2012. Ao negar a devida atenção Zainab médico para sua lesão, Bahrein está a violar o artigo 25 da DUDH sobre o direito à saúde, bem como os mencionados anteriormente "Regras Mínimas para o Tratamento dos Reclusos"
Semelhante a muitas outras crianças em Bahrain que está pais ou os pais estão presos, filha Zainab de Jude teve para comemorar seu terceiro aniversário sem a mãe hoje, no ano passado, seu pai foi preso durante este dia especial. Seu pai escreveu no Twitter: "Eu não chorei quando fui preso, torturado, física e sexualmente humilhado, quando eu vi pela primeira vez minha família depois de mais de dois meses, quando foi condenado por quatro anos de prisão ou quando depois de dez meses eu estava lançado, agora eu chorar, porque eu vejo Jude sem sua mãe em seu aniversário ". Para incomodar ainda mais Zainab e sua família, o seu pedido para visitar o pai na prisão foi negado e ela não estava autorizado a dar-lhe a filha de um pato de papel que ela tinha feito para seu aniversário. Além disso, o pedido Zainab para visitar o pai preso o defensor dos direitos humanos Abdulhadi AlKhawaja foi rejeitada.

A chamada BCHR e GCHR ao Governo do Bahrein para:
1. Liberte imediatamente detido defensor dos direitos humanos Nabeel Rajab e Zainab al-Khawaja e retirar todas as acusações contra eles, pois acredita-se que estas medidas foram tomadas contra eles unicamente devido a thier trabalho legítimo e pacífico em defesa dos direitos humanos e do exercício de liberdade de reunião pacífica e à liberdade de expressão, de acordo com a Declaração Universal dos Direitos Humanos;
2. Libertem imediata e incondicionalmente todos os prisioneiros de consciência e de ativistas, incluindo levando defensor dos direitos humanos Abdulhadi al-Khawaja.
3.Immediatly pôr fim à prática de tortura e os maus-tratos de prisioneiros no Bahrein e levar os responsáveis ​​à justiça.
4. Garantir em todas as circunstâncias que todos os defensores dos direitos humanos no Bahrein são capazes de realizar as suas actividades legítimas de defesa dos direitos humanos, sem medo de represálias, e livre de todas as restrições, incluindo o assédio judicial.
Reiteramos o nosso apelo à comunidade internacional para colocar pressão real sobre o governo do Bahrein para parar os atos de maus-tratos praticados nas principais defensores dos direitos humanos e libertá-los imediatamente como nós acreditamos que eles têm sido alvo exclusivamente para os seus legítimos direitos humanos atividades.

No comments:

Post a Comment