Tuesday, 4 September 2012

Interview with #PussyRiot Leader 'I Love #Russia, But I Hate Putin' / Entrevista com o Líder #PussyRiot: 'Eu amo a #Rússia, mas eu odeio Putin'

Originally posted by the Spiegel Online at http://www.spiegel.de/international/world/spiegel-interview-with-pussy-riot-activist-nadezhda-tolokonnikova-a-853546.html

Postado originalmente por o Spiegel Online em http://www.spiegel.de/international/world/spiegel-interview-with-pussy-riot-activist-nadezhda-tolokonnikova-a-853546.html
Brought to my attention by paintmyblues via Twitter
Trazido a minha atenção por @paintmyblues via Twitter

**A tradução Português segue imediatamente abaixo do texto original em Inglês. A tradução foi feito, infelizmente, usando o Google Translate. As minhas desculpas por eventuais erros que você pode encontrar como resultado.**

Photo Gallery: 'We Want a Revolution in Russia'
In a SPIEGEL interview, Pussy Riot leader Nadezhda Tolokonnikova discusses her feminist punk group's political aims, why she believes there are limits to Vladimir Putin's power and how the "fight for our ideas and values will continue". She says it's "not me, but the authorities who must be afraid."

The 1,300 inmates of Pre-Trial Detention Facility No. 6, the only one for women in Moscow, refer to the concrete block at the southeastern edge of the Russian capital as the "Bastille." This is where the recently convicted activists with Pussy Riot are awaiting the outcome of their appeals proceedings, after being sentenced to two years' imprisonment for recording a video in which they sang "Mother of God, drive Putin out" in one of the country's most important churches. If their appeal is denied, the three young women will be sent to a prison colony. At the moment, they are allowed visits from family members once every two weeks. Under a court order, their lawyers are allowed unlimited visits to their clients. Nadezhda Tolokonnikova, 22, is considered the protest group's political leader. She answered SPIEGEL's questions through one of her lawyers.

SPIEGEL: Nadezhda Andreyevna, what is your daily life in jail like?

Tolokonnikova: It's bearable. Still, it's a Russian prison, with all its Soviet charm. There's been little progress there -- the prison system is still something of a mixture between military barracks and a hospital. We're woken at 6 a.m., then I have breakfast, then we're taken out to the prison yard. The rest of the day, I write. Or I read, today for example the Bible and the works of Slovenian philosopher and Marxist Slavoj Žižek. The lack of freedom of movement doesn't constrict the freedom of thought.

SPIEGEL: Do you regret your actions in Moscow's Cathedral of Christ the Savior?

Tolokonnikova: No, I regret nothing. I take a matter-of-fact view of our situation, and I see positives and negatives. Ultimately, I think the trial against us was important, because it showed the true face of Putin's system. This system delivered a verdict on itself, by sentencing us to two years in prison although we committed no crime, and of course I'm glad about that.

SPIEGEL: You have a four-year-old daughter, and you must have known going into your performance in the church that arrest was a real possibility. Wasn't that irresponsible toward your child?

Tolokonnikova: If you're afraid of wolves, you shouldn't go into the forest. I'm not afraid of wolves. I'm fighting for my daughter to be able to grow up in a free country. Legally, the court should have been able to convict us of no more than a misdemeanor. The criminal trial is Putin's personal revenge, and no one can predict how and when an authoritarian system will exact revenge.

SPIEGEL: Some see you as heroes, taking a creative approach to challenging Putin's rigid political system. Others consider your actions tasteless. While pregnant, you took part completely naked in a group sex event at Moscow's Biological Museum to mock the Kremlin's desire to increase Russia's birth rate.

Tolokonnikova: Everyone has his or her own taste. Our performances are modern art and only experts can assess whether what we do is tasteless. Anything else is simply the expression of subjective opinions.
SPIEGEL: What do your parents think of these performances?

Tolokonnikova: My father refused to talk to me for two months after the performance at the Biological Museum -- because I hadn't invited him to be part of the audience. Since then, he's been there for nearly every action I've taken part in. And my mother recently stated publicly that she supports utterly and completely my fight for Russia's freedom. So I don't have any problems with my parents.

SPIEGEL: You started as part of the artists' collective Voina, which means "war." Against whom are you waging war?

Tolokonnikova: The actions of the artists' collective Voina are a test of strength in the conflict between government and society. That was the first time that artists took up opposition to the authoritarian government in such a fundamental and highly public way.

SPIEGEL: What does Pussy Riot hope to achieve?

Tolokonnikova: A revolution in Russia.

SPIEGEL: And what kind of Russia do you wish for?

Tolokonnikova: One that unfortunately I'm going to have to wait a long time for. But one thing is certain: I want to destroy the things I consider the greatest evils. And I'm doing this by putting my ideas of freedom and feminism into practice.

SPIEGEL: Do you love your country?

Tolokonnikova: I love Russia, but I hate Putin.

SPIEGEL: Putin is the most powerful man in one of the most powerful countries on Earth. Is it possible to win against him?

Tolokonnikova: Putin's omnipotence is an illusion. That it's not a limitless thing is just as obvious as the fact that his propaganda machine exaggerates the president's power. Putin is dependent on the West roughly to the same degree that the West has an interest in exaggerating his power. In reality, the president is small and pitiful. You can see that in his actions both as a person and as a politician. If a leader feels confident, how can it even cross his or her mind to deal with three young opposition activists this way?

SPIEGEL: Your performance and your arrest have drawn the world's attention to human and civil rights in Russia, far more than the recent murders of journalists or the introduction of a number of repressive new laws have. Why is this?

Tolokonnikova: Because our performance was not trivial. It took up the confrontation between government and society, in a religious, political and social context. The trial against us revealed the regime's repressive character. Putin's system is collapsing. It's not suited for the 21st century -- it's more like something out of tribal societies and dictatorial regimes of the past. It's incapable of explaining why three political activists have to be thrown into prison just because they used the Cathedral of Christ the Savior as the location for a video performance and uttered a few powerful words against the system.

SPIEGEL: Are you enjoying the acclaim from the West?

Tolokonnikova: We're glad for all the support we get.

SPIEGEL: If we understand your performances correctly, they are not only directed at Putin, but are also anti-capitalist. In a conversation with SPIEGEL last year, Voina activist Oleg Vorotnikov justified stealing food on the grounds that there is a fundamental right to sustenance.

Tolokonnikova: Yes, we're part of the global anti-capitalist movement, which consists of anarchists, Trotskyists, feminists and autonomists. Our anti-capitalism is not anti-Western or anti-European. We see ourselves as part of the West, and we're a product of European culture. The shortcomings of consumer society do disturb us, but we're not looking to destroy consumer society. Freedom is at the core of our ideology, and our concept of freedom is a Western one. This is a fight for the right definition of freedom.

SPIEGEL: You're feminists. What characterizes Russian women today?

Tolokonnikova: Russian women are caught somewhere between Western and Slavic stereotypes. Unfortunately, Russia is still dominated by the centuries-old image of the woman as keeper of the hearth, and of women raising children alone and without help from men. That image continues to be cultivated by the Russian Orthodox Church, which turns women into slaves, and Putin's ideology of "sovereign democracy" aspires in the same direction. Both reject everything Western, including feminism. But Russia, too, had a tradition of a Western-style women's liberation movement, which Stalin smothered. I hope it rises again -- and that we can help that happen.

SPIEGEL: Would you choose a religious space as a location for a political demonstration again?

Tolokonnikova: We're artists, and artists never repeat themselves. Not because we're afraid of punishment, but to be true to our artistic principles.

SPIEGEL: Can you understand that many Russians feel their religious feelings have been hurt, when you perform a wild dance in front of a church altar?

Tolokonnikova: The video clip and the accompanying text, which describes the political motivations behind our performance, were hardly the kind of thing to hurt religious feelings. It's the distorted picture presented in the state-run media that changed the situation, accusing us of religious hate. I'm sorry it has come to that. Ultimately, both we and our critics have become victims of Putin's propaganda machine.

SPIEGEL: Do you welcome the fact that people in Russia are now toppling crosses, supposedly in a show of support for you?

Tolokonnikova: Definitely not. That's not something we're happy about. Pussy Riot has never acted against religion. It's Putin's ideologues who have stuck the label of religious hate on us. Our motivation was purely political.

SPIEGEL: In your closing argument at the trial, you quoted from the Old and New Testament. Are you yourself religious?

Tolokonnikova: I don't believe in God. But I do see religion as an important part of culture.
SPIEGEL: Church leaders have campaigned for leniency and mercy for Pussy Riot. Would you still describe the church's patriarchs as "bitches," as you did in your performance?

Tolokonnikova: The church didn't call for leniency until the verdict had already been announced. If they meant it honestly, why didn't they say something before? We don't believe in the church's honest intentions, just as the prosecution's witnesses didn't believe our apology is meant honestly. Also, the word "bitch" wasn't aimed at the patriarchs. We only used it as a filler word.

SPIEGEL: In court, you compared yourself with Fyodor Dostoyevsky and Alexander Solzhenitsyn. Has the fame gone to your head? Solzhenitsyn spent eight years in a gulag. And Dostoyevsky was sentenced to death, then pardoned at the last minute at the place of execution and exiled instead.

Tolokonnikova: We don't want to compare ourselves to the work of Solzhenitsyn or Dostoyevsky. But we're concerned with precisely this attitude on the part of the government toward voices of dissent.

SPIEGEL: More than a few fellow opponents of Putin think you went too far with your performance in the cathedral. Alexey Navalny, probably Russia's most popular opposition politician at the moment, told SPIEGEL he considered the performance at the cathedral "stupid". Have you divided the opposition?

Tolokonnikova: Navalny praised our performance at Red Square, where we called Putin a coward. Clearly Navalny doesn't entirely understand the connection between the performance in front of the Kremlin and the one in the Cathedral of Christ the Savior. Our goal is in fact a divide, but not of the opposition. We want to rouse the part of society that has remained politically apathetic and has preferred not to work actively for civil rights, but rather to stay comfortably at home. What we see right now is a divide between the government and a silent majority of Russians.

SPIEGEL: Many Russians have called for a tougher punishment than the two years to which you were sentenced.

Tolokonnikova: There is a clear correlation between the trial against us and Putin's approval ratings. The most recent polls show his popularity dropping.

SPIEGEL: Is there anything that has particularly pleased or upset you in the months since your arrest?

Tolokonnikova: The overwhelming reaction to what we did was a pleasant surprise. The government's reaction to our performance was to be expected, since after all we're dealing with an authoritarian system. But I've been pleased with the support from friends and other like-minded supporters, despite the threat of years in prison that we're facing. I'm glad that our fight for our ideas and values will continue.

SPIEGEL: You've submitted an appeal. Do you expect a reduction to your sentence?

Tolokonnikova: I don't care about that.

SPIEGEL: You're not afraid of life in the prison colony?

Tolokonnikova: It's not me but the authorities who must be afraid.

SPIEGEL: What will you do when you're released from prison? Will you go on a global tour, release albums, turn your fame into money? Or will you go into politics?

Tolokonnikova: As long as this authoritarian system exists, there's little point in thinking about such things.

SPIEGEL: Nadezhda Andreyevna, we thank you for this interview.

The questions to Tolokonnikova were posed by Matthias Schepp. Translated from the German by Ella Ornstein.


Photo Gallery: 'We Want a Revolution in Russia'

Em uma entrevista Spiegel, Pussy motim líder Nadezhda Tolokonnikova discute objetivos políticos de seu grupo de punk feminista, por que ela acredita que há limites ao poder de Vladimir Putin e como a "luta de nossas idéias e valores vai continuar". Ela diz que é "não a mim, mas as autoridades que devem estar com medo."

Os 1.300 detentos de Questões Preliminares Centro de Detenção No. 6, a um só para as mulheres, em Moscou, consulte o bloco de concreto na borda sudeste da capital russa como a "Bastilha". Este é o lugar onde os ativistas recentemente condenados com motim Cona estão aguardando o resultado dos seus processos de apelação, depois de ter sido condenado a dois anos de prisão para a gravação de um vídeo em que cantava "Mãe de Deus, unidade de Putin para fora" em um dos mais do país igrejas importantes. Se o seu recurso for negado, as três jovens serão enviados para uma colônia de prisão. No momento, eles são autorizados a visita de membros da família uma vez a cada duas semanas. Sob uma ordem judicial, os advogados são permitidas visitas ilimitadas para os seus clientes. Nadezhda Tolokonnikova, 22, é considerado líder político do grupo de protesto. Ela respondeu a perguntas de Spiegel através de um dos seus advogados.

Spiegel: Nadezhda Andreyevna, o que é a sua vida diária na prisão como?

Tolokonnikova: É suportável. Ainda assim, é uma prisão russa, com todo o seu charme Soviética. Tem havido pouco progresso lá - o sistema prisional é algo de uma mistura entre quartel militar e um hospital. Estamos acordado às 6 da manhã, então eu tenho café da manhã, então é levado para o pátio da prisão. O resto do dia, eu escrevo. Ou eu li, hoje, por exemplo, a Bíblia e as obras do filósofo esloveno Slavoj e marxista Zizek. A falta de liberdade de movimento não contraem a liberdade de pensamento.

Spiegel: Você se arrepende de suas ações na Catedral de Moscou de Cristo o Salvador?

Tolokonnikova: Não, eu não lamento nada. Eu tenho uma visão matéria de facto da nossa situação, e vejo pontos positivos e negativos. Em última análise, eu acho que o julgamento contra nós foi importante, porque mostrou a verdadeira face do sistema de Putin. Este sistema entregue a um veredicto sobre si mesmo, ao sentenciar-nos a dois anos de prisão, embora nós não cometeu nenhum crime, e é claro que eu estou feliz com isso.

Spiegel: Você tem uma filha de quatro anos de idade, e você deve ter sabido de entrar em seu desempenho na igreja que a prisão era uma possibilidade real. Isso não foi irresponsável para com o seu filho?

Tolokonnikova: Se você tem medo de lobos, você não deve ir para a floresta. Eu não tenho medo de lobos. Estou lutando pela minha filha para ser capaz de crescer em um país livre. Legalmente, o tribunal deveria ter sido capaz de nos convencer de não mais do que uma contravenção. O julgamento criminal é a vingança pessoal de Putin, e ninguém pode prever como e quando um sistema autoritário vai vingar.

Spiegel: Alguns vêem como heróis, tendo uma abordagem criativa para desafiar rígido sistema político de Putin. Outros consideram suas ações de mau gosto. Enquanto grávida, você participou completamente nua em um evento de sexo em grupo no Museu Biológico de Moscou para zombar desejo do Kremlin para aumentar a taxa de natalidade da Rússia.

Tolokonnikova: Todo mundo tem o seu próprio gosto. Os nossos espectáculos são arte moderna e só especialistas podem avaliar se o que fazemos é de mau gosto. Qualquer outra coisa é simplesmente a expressão de opiniões subjetivas.

Spiegel: O que seus pais pensam dessas performances?

Tolokonnikova: Meu pai se recusou a falar comigo por dois meses após a apresentação no Museu Biológico - porque eu não o havia convidado para fazer parte da platéia. Desde então, ele está lá há quase toda ação que eu tomei parte dentro E minha mãe recentemente declarou publicamente que apoia totalmente e completamente a minha luta pela liberdade da Rússia. Então, eu não tenho problemas com os meus pais.

Spiegel: ". Guerra" Você começou como parte do Voina dos artistas coletiva, o que significa Contra quem você está travando uma guerra?

Tolokonnikova: As ações do Voina dos artistas coletiva são um teste de força no conflito entre governo e sociedade. Essa foi a primeira vez que os artistas levaram a oposição ao governo autoritário de tal forma fundamental e altamente público.

Spiegel: O que motim Cona espera alcançar?

Tolokonnikova: Uma revolução na Rússia.

Spiegel: E que tipo de Rússia que você deseja?

Tolokonnikova: Um que infelizmente eu vou ter que esperar um longo tempo para. Mas uma coisa é certa: eu quero destruir as coisas que eu considero os maiores males. E eu estou fazendo isso por colocar minhas idéias de liberdade e feminismo em prática.

Spiegel: Você ama seu país?

Tolokonnikova: Eu amo a Rússia, mas eu odeio Putin.

Spiegel: Putin é o homem mais poderoso em um dos países mais poderosos da Terra. É possível vencê-lo?

Tolokonnikova: onipotência de Putin é uma ilusão. Isso não é uma coisa sem limites é tão óbvio quanto o fato de que sua máquina de propaganda exagera o poder do presidente. Putin é dependente do Ocidente aproximadamente no mesmo grau que o Ocidente tem interesse em exagerar o seu poder. Na realidade, o presidente é pequeno e lamentável. Você pode ver que em suas ações, tanto como pessoa e como político. Se um líder se sente confiante, como pode até mesmo atravessar a sua mente para lidar com três jovens militantes da oposição desta forma?

Spiegel: O seu desempenho e sua prisão ter chamado a atenção do mundo para os direitos humanos e civis na Rússia, muito mais do que os recentes assassinatos de jornalistas ou a introdução de uma série de leis repressivas novos têm. Por que isso?

Tolokonnikova: Porque o nosso desempenho não foi trivial. Levou-se o confronto entre governo e sociedade, em um contexto religioso, político e social. O julgamento contra nós revelou caráter repressivo do regime. Sistema de Putin está em colapso. Não é adequado para o século 21 - é mais como algo fora das sociedades tribais e os regimes ditatoriais do passado. É incapaz de explicar porque três ativistas políticos têm de ser jogados na prisão apenas porque usou a Catedral de Cristo o Salvador como o local para um desempenho de vídeo e proferiu algumas palavras poderosas contra o sistema.

Spiegel: Você está gostando da aclamação do Oeste?

Tolokonnikova: Estamos felizes por todo o apoio que temos.

Spiegel: Se entendermos suas apresentações corretamente, eles não são apenas dirigidas a Putin, mas também são anti-capitalista. Em uma conversa com o Spiegel no ano passado, o ativista Oleg Vorotnikov Voina justifica roubar comida em razão de que há um direito fundamental para o seu sustento.

Tolokonnikova: Sim, nós somos parte do movimento anti-capitalista global, que consiste em anarquistas, trotskistas, feministas e autonomistas. Nosso anti-capitalismo não é anti-ocidental e anti-europeu. Nós nos vemos como parte do Ocidente, e somos um produto da cultura europeia. As deficiências da sociedade de consumo incomodar-nos, mas nós não estamos olhando para destruir a sociedade de consumo. A liberdade é o cerne de nossa ideologia, e nosso conceito de liberdade é ocidental. Esta é uma luta para a definição direito de liberdade.

Spiegel: Você está feministas. O que caracteriza as mulheres russas hoje?

Tolokonnikova: As mulheres russas são capturados em algum lugar entre os estereótipos ocidentais e eslava. Infelizmente, a Rússia ainda é dominado pela imagem secular da mulher como guardião do lar e criar os filhos de mulheres sozinhas e sem a ajuda de homens. Essa imagem continua a ser cultivado pela Igreja Ortodoxa Russa, que transforma as mulheres em escravas, e ideologia de Putin de "democracia soberana" aspira na mesma direção. Ambos rejeitam tudo ocidental, incluindo o feminismo. Mas a Rússia também tinha uma tradição de um movimento de libertação de estilo ocidental das mulheres, que Stalin sufocada. Espero que ele sobe de novo - e que pode ajudar a que isso aconteça.

Spiegel: Você escolheria um espaço religioso como um local para uma manifestação política de novo?

Tolokonnikova: Nós somos artistas, e artistas nunca se repetem. Não é porque temos medo de punição, mas para ser fiéis aos nossos princípios artísticos.

Spiegel: Você pode entender que muitos russos sentem que seus sentimentos religiosos foram feridos, quando você executar uma dança selvagem na frente de um altar da igreja?

Tolokonnikova: O clip de vídeo eo texto, que descreve as motivações políticas por trás do nosso desempenho, dificilmente eram o tipo de coisa para ferir os sentimentos religiosos. É a imagem distorcida apresentada nos meios de comunicação estatais que mudaram a situação, acusando-nos de ódio religioso. Sinto muito que tenha chegado a esse ponto. Em última análise, nós e os nossos críticos se tornaram vítimas de máquina de Putin propaganda.

Spiegel: Você com o facto de as pessoas na Rússia estão derrubando cruzes, supostamente em uma demonstração de apoio para você?

Tolokonnikova: Definitivamente não. Isso não é algo que estamos satisfeitos. Motim bichano nunca agiu contra a religião. É ideólogos Putin que ter furado o rótulo de ódio religioso em nós. Nossa motivação foi puramente político.

Spiegel: Em seu argumento final no julgamento, você citou o Antigo e Novo Testamento. Você se religioso?

Tolokonnikova: Eu não acredito em Deus. Mas eu vejo a religião como uma parte importante da cultura.
Spiegel: Os líderes da Igreja fizeram campanha para a clemência e misericórdia para Motim Pussy. Você ainda descrever patriarcas da Igreja como "vadias", como você fez no seu desempenho?

Tolokonnikova: A igreja não pediu clemência até que o veredicto já havia sido anunciado. Se eles queriam dizer isso honestamente, por que não dizer algo antes? Nós não acreditamos em intenções honestas da igreja, assim como testemunhas de acusação não acredito que nosso pedido de desculpas é destinado honestamente. Além disso, a palavra "puta" não era para os patriarcas. Apenas utilizado como uma palavra de enchimento.

Spiegel: No tribunal, você comparou-se com Fyodor Dostoyevsky e Solzhenitsyn Alexander. Tem a fama ido a sua cabeça? Solzhenitsyn passou oito anos em um gulag. E Dostoievski foi condenado à morte, então perdoado no último minuto no local de execução e exilado em seu lugar.

Tolokonnikova: Nós não queremos nos comparar com o trabalho de Solzhenitsyn ou Dostoievski. Mas estamos preocupados com precisamente esta atitude por parte do governo para com as vozes de dissidência.

Spiegel: Mais de uma adversários companheiros poucos Putin acha que foi longe demais com seu desempenho na catedral. Alexey Navalny, provavelmente da Rússia político de oposição mais popular no momento, disse ao Spiegel ele considerou o desempenho na catedral "estúpido". Você divide a oposição?

Tolokonnikova: Navalny elogiou o nosso desempenho na Praça Vermelha, onde Putin chamou de covarde. Claramente Navalny não inteiramente compreender a relação entre o desempenho em frente ao Kremlin ea uma na Catedral de Cristo Salvador. Nosso objetivo é de fato uma divisão, mas não da oposição. Queremos despertar a parte da sociedade que se manteve politicamente apática e preferiu não trabalhar activamente para os direitos civis, mas sim para ficar confortavelmente em casa. O que vemos agora é uma divisão entre o governo e uma maioria silenciosa dos russos.

Spiegel: Muitos russos pediram uma punição mais dura do que os dois anos a que foram condenados você.

Tolokonnikova: Existe uma correlação clara entre o julgamento contra nós e as classificações de aprovação de Putin. As pesquisas mais recentes mostram a sua queda de popularidade.

Spiegel: Há algo que particularmente satisfeito ou perturbar-lhe nos meses desde a sua prisão?

Tolokonnikova: A reação esmagadora para o que fizemos foi uma agradável surpresa. A reação do governo ao nosso desempenho era de se esperar, já que depois de tudo o que estamos lidando com um sistema autoritário. Mas eu estive satisfeito com o apoio de amigos e outros que pensam como simpatizantes, apesar da ameaça de anos de prisão que estamos enfrentando. Fico feliz que a nossa luta por nossas idéias e valores vão continuar.

Spiegel: Você já apresentou um recurso. Você espera uma redução de sua pena?

Tolokonnikova: Eu não me importo com isso.

Spiegel: Você não tem medo da vida na colônia prisão?

Tolokonnikova: Não sou eu, mas as autoridades que devem estar com medo.

Spiegel: O que você vai fazer quando você está libertado da prisão? Você vai em um globais turísticos álbuns, liberação, transformar sua fama em dinheiro? Ou você vai entrar para a política?

Tolokonnikova: Enquanto esse sistema autoritário existe, não há ponto de pouco em pensar sobre essas coisas.

Spiegel: Nadezhda Andreyevna, nós te agradecemos por esta entrevista.

As perguntas para Tolokonnikova foram feitas por Matthias Schepp. Traduzido do alemão por Ella Ornstein.

    No comments:

    Post a Comment