Thursday, 6 September 2012

#Mining companies to exploit controversial Belo Monte dam region (#Brazil #Amazon #Environment #Indigenous) / As empresas de #mineração para explorar controversa barragem de #BeloMonte região (#Brasil #Amazônia #Ambiente #Indígena)

The majority of the information posted below was originally posted by International Rivers at
Additional information was contributed by @PersonalEscrito via Twitter and Facebook
A maioria das informações publicadas abaixo foi originalmente publicado por
Informações adicionais foi contribuído por @PersonalEscrito via Twitter e Facebook
**A tradução Português pode ser encontrado logo abaixo do texto original em Inglês. A tradução foi infelizmente novamente feito usando o Google Translate. Peço desculpas por eventuais erros resultantes.**

According to International Rivers' 2011 article titled 'Mining Giant Joins Belo Monte Dam', the world's second-largest mining corporation, Vale, has stepped into one of the world's most controversial dams: Belo Monte. With its new share in the dam, Vale – and the Brazilian government – are banking on the hope that the electricity from so-called "clean" dams can power Brazil's continued export of commodities to China. In the case of the Amazon, Belo Monte may help power a record expansion of dirty mining. In so many ways, a nightmare "Avatar" scenario is ever closer to reality.
Hydropower – far from the "clean" reputation that development pundits have given it – has long been utilized to power dirty mining and smelting operations around the world.  Despite the Brazilian government's best efforts to paint Belo Monte as impact-free – Belo Monte will be no different, as Vale's 9.2% share will allow it to dedicate about 400 MW of the dam's guaranteed capacity for use in mining.
400 MW may be a drop in the bucket, but when added to Vale's investment in 9 other Brazilian dams, and after considering the more than 60 dams planned by the Brazilian government for the Amazon, the future of dam-powered mining in the Amazon becomes a bit more frightful. According to Brazilian Mining Institute IBRAM, over $40 billion USD of investment in mining is expected to cover the entire Brazilian Amazon through 2015.  

A New Mining Threat in the Amazon

Scroll through the slideshow at, to see maps of current, planned, and future mining concessions, in that order, in the region of the Belo Monte Dam. Southeast of the Belo Monte Dam is one area of concern: the Carajás mines, the world's largest iron deposits, owned and operated by Vale. On the maps, the Carajás mines are colored red, near the bottom center of the image. Vale is set to begin a massive expansion of these enormous Carajás mines, by adding 40 million tons of iron ore per year to the 90 million tons per year that are already produced there. With the expansion of the Carajás mines on the horizon, Vale's entry into Belo Monte looks like the portent of a drastically different landscape.
Vale's use of hydroelectric dams to power mining dates back almost 30 years to 1984, when the 256-foot high Tucuruí Dam (4000 MW) began operation, powering an explosion of iron ore extraction at the Carajás mines, and putting Brazil on the map in the global minerals trade. The Tucuruí Dam created the 72-meter deep Lago Tucuruí reservoir, which flooded 2,850 square kilometers. The reservoir displaced 35,000 people, flooded 38,700 hectares of the Parakanã Indigenous Reserve, and led to the removal and relocation of the Eastern Parakanã, a tribe that had been contacted only a decade earlier. Construction of the Tucuruí Dam attracted thousands of migrants to the area, which increased incidences of malaria and HIV. A full 20,000 workers were laid off after the completion of Phase I of Tucuruí’s construction, and by 1985, the Carajás mines had already produced 1 million tons of iron ore using Tucuruí’s electricity. By 1987, powered by Tucuruí Dam, the Carajás mines were producing 13.5 million tons of iron ore per year.
In 1998, Phase II of the Tucuruí Dam began when Eletrobrás added eleven 375 MW Francis turbine generators, bringing Tucuruí's total installed capacity to 8370 MW. As a result, by 2006, the Carajás mine produced 81.7 million tons of iron ore per year, and in 2009, that number reached 90 million tons of iron ore per year. What worries technical experts and civil society alike is that the Belo Monte Dam may follow the same progression as Tucuruí: what began as one hydropower project may become a larger, more harmful project years down the road. 
Xikrin Kayapó.Xikrin Kayapó.
Instituto Socioambiental
The impacts of the Carajás mines on indigenous people have continued through recent history. In 2006, in protest over the dangerous impacts of iron ore production near the Catete indigenous territory, Xikrín Kayapó took 600 Vale workers hostage and blocked the Carajás train, which exports 250,000 tons of iron ore daily to the port of Porta Madeira in São Luiz for export abroad. It was a true protest against the dangers of ruthless commodity export. As seen in the above maps, future mining concessions could even take place inside indigenous territories themselves, including the Catete territory.
If the electricity from mega-dams like Belo Monte and the Tapajós Complex comes on line, Vale – and also its competitors Alcoa, Gerdau, ArcelorMirral, Mineração do Rio Norte, AngloAmerican, and Colossus -- would be able to extract and refine unprecedented amounts of minerals from the soils of the Amazon. Mining would proliferate, and the Amazon could look more like the Alberta tar sands than a forest sea of green.

Dilma's Agenda for Vale

Vale may have decided to join the Belo Monte Dam only because the Brazilian government is playing a stiff hand to gain greater control over the company's profits. Indeed, Dilma recently sent CEO Roger Agnelli packing, a step towards gaining greater control over the company after it was partially privatized ten years ago
Having Vale in the Belo Monte Dam is a way for the government to make sure that Vale's profits from Chinese commodity purchases flow more easily into Treasury coffers. Treasury capitalizations to the Brazilian Development Bank (BNDES) have allowed BNDES to disburse record amounts to Brazilian industries, eclipsing the amount lent by multiateral development banks in the region. BNDES has disbursed $300 billion reais since 2008, including $20 billionreais for the Madeira Dam Complex, and an expected $25 billion reais or more for the Belo Monte Dam Complex.

Why is greater government control of Vale a problem? Environmentally and socially, the sheer size of the mining operations planned for the Amazon should scare anyone, whether a company like Vale is private or state-owned. Mining is one of the dirtiest industrial activities on the planet, due to both its immediate environmental impacts and its CO2 emissions. Also, mining enclaves often lead to poverty and social conflict, rather than improved livelihoods and development benefits.
Financially, government control of Vale is a problem because there have been recent concerns over Brazil's monetary policy. Some say that there is a direct line between the Treasury and BNDES that acts as a "parallel economy". According to Miriam Leitão, Brazil's military dictatorship similarly created a parallel economy that funneled public sector money directly into the pockets of government-owned developers. At the time, millions of reais were grafted from pension funds by government cronies and invested in pet hydropower projects such as Tucuruí Dam, Itaipú Dam, and Balbina Dam, three dams that emitted far greater amounts of greenhouse gases than equivalent-sized fossil fuel power plants. So far, commitments for the financing of the Belo Monte Dam have followed suit, as both BNDES and construction consortium Norte Energia, S.A. have relied on subsidies from Brazilian pension funds to bankroll their accounts.
With Vale in Belo Monte and the government taking greater control of the mining sector, it looks like the Amazon will turn increasingly into a hotbed for dirty mining. For centuries, citizens of the Brazilian Amazon have asked when their lands will be worth something greater than the resources extracted from them. With Vale now in Belo Monte, it doesn't look like they'll be getting an answer any time soon.
In addition to Vale, The Canadian mining company Belo Sun Corp's Grande Volta Project will soon to benefit from the creation of the Belo Monte dam. "The 100% owned Volta Grande Project is located approximately 60 kilometres southwest of the town of Altamira (pop. 100,000) in the northern region of Para State. The geological setting (Tres Palmeiras greenstone belt) at the project areas is part of the same sequences present in the Carajas "Word Class" mineral province. The Company currently controls the mining and exploration rights over an area covering 130,541 hectares(1,305 sq. km) of the area known for artisanal gold mining." (Source:

Below you will find two maps to give the reader an idea as to the impact this project will have on the surrounding environment, indigenous and other affected communities! 

Further maps to evaluate the true upcoming impact of the Volta Grande Project on the region can be found at:

To voice your opposition to this project please go to and leave a message on Belo Sun Mining Corp Facebook page.


De acordo com o "artigo 2011 intitulado" International Rivers gigante da mineração junta barragem de Belo Monte ", empresa de mineração do mundo, a segunda maior, a Vale, pisou em uma das barragens mais controversos do mundo: Belo Monte. Com a sua nova ação na barragem, a Vale - e do governo brasileiro - são apostando na esperança de que a energia elétrica dos chamados "limpos" barragens pode exportar contínuo de energia do Brasil de commodities para a China. No caso da Amazônia, Belo Monte pode ajudar a alimentar uma expansão recorde de mineração sujo. Em muitas maneiras, um pesadelo "Avatar" cenário é cada vez mais próxima da realidade.

Hidrelétrica - longe da reputação "limpa" que os especialistas de desenvolvimento ter dado - tem sido utilizada para a mineração de energia suja e operações de fundição em todo o mundo. Apesar dos melhores esforços do governo brasileiro para pintar como Belo Monte sem impacto - Belo Monte não será diferente, como partes de 9,2% da Vale permitirá que ele dedicar cerca de 400 MW de capacidade garantida da barragem para uso em mineração.

400 MW pode ser uma gota no oceano, mas quando adicionado ao investimento da Vale em nove outras barragens brasileiras, e após análise dos mais de 60 barragens planejadas pelo governo brasileiro para a Amazônia, o futuro da barragem de potência de mineração na Amazônia torna-se um pouco mais assustador. De acordo com o Instituto Brasileiro de Mineração IBRAM, de US $ 40 bilhões de dólares de investimentos em mineração deverá cobrir toda a Amazônia brasileira até 2015.

Uma ameaça Mineração Novo na Amazônia

Percorra a apresentação de slides a, para ver mapas de atuais concessões de mineração, planejadas, e do futuro, nessa ordem, no região da represa de Belo Monte. Sudeste da barragem de Belo Monte é uma área de preocupação: as minas de Carajás, depósitos maiores do mundo de ferro, de propriedade e operada pela Vale. Nos mapas, as minas de Carajás são de cor vermelha, perto do centro da parte inferior da imagem. A Vale está marcada para começar uma expansão massiva destes enormes minas de Carajás, somando 40 milhões de toneladas de minério de ferro por ano para os 90 milhões de toneladas por ano, que já são produzidos lá. Com a expansão das minas de Carajás, no horizonte, a entrada da Vale em Belo Monte parece com o presságio de uma paisagem drasticamente diferente.

Utilização da Vale de hidrelétricas para a mineração de energia remonta quase 30 anos até 1984, quando a 256 metros da Barragem de alta Tucuruí (4000 MW) entrou em operação, alimentando uma explosão de ferro extração de minério nas minas de Carajás, e colocar o Brasil no mapa em o comércio minerais global. A Barragem de Tucuruí criou a 72 metros de profundidade Lago reservatório de Tucuruí, que inundou 2.850 quilômetros quadrados. O reservatório de 35.000 pessoas deslocadas, inundado 38.700 hectares da Reserva Indígena Parakanã, e levou à remoção e transferência do Parakanã Oriental, uma tribo que tinha sido contactado apenas uma década antes. Construção da barragem de Tucuruí atraiu milhares de migrantes para a área, o que aumentou a incidência de malária e HIV. Um total de 20.000 trabalhadores foram demitidos após a conclusão da Fase I de construção de Tucuruí, e em 1985, as minas de Carajás já tinha produzido um milhão de toneladas de minério de ferro usando eletricidade de Tucuruí. Em 1987, alimentado por Tucuruí, as minas de Carajás, estavam produzindo 13,5 milhões de toneladas de minério de ferro por ano.

Em 1998, a Fase II da Barragem de Tucuruí começou quando Eletrobrás adicionou 11 375 MW de turbinas geradoras Francis, elevando a capacidade total de Tucuruí instalada para 8.370 MW. Como resultado, em 2006, a mina de Carajás produziu 81,7 milhões de toneladas de minério de ferro por ano, e em 2009, esse número chegou a 90 milhões de toneladas de minério de ferro por ano. O que preocupa os especialistas técnicos e da sociedade civil tanto é que a barragem de Belo Monte pode seguir a mesma progressão Tucuruí: o que começou como um projeto hidrelétrico pode tornar-se um maior, ano de projeto mais prejudiciais no caminho.

Xikrin Kayapó.Os impactos das minas de Carajás, sobre povos indígenas continuaram ao longo da história recente. Em 2006, em protesto contra os perigosos impactos da produção de minério de ferro perto do território indígena Catete, Xikrin Kayapó levou 600 trabalhadores reféns Vale e bloqueou o trem de Carajás, que exporta 250 mil toneladas de minério de ferro por dia para o porto de Porta Madeira, em São Luiz para exportação no exterior. Foi um protesto verdade contra os perigos da exportação de commodities implacável. Como visto nos mapas acima, concessões de mineração futuros poderiam mesmo ter lugar dentro de territórios indígenas, inclusive o território Catete.

Se a eletricidade de mega-barragens, como Belo Monte e do Complexo Tapajós vem na linha, a Vale - e também os seus concorrentes da Alcoa, Gerdau, ArcelorMirral, a Mineração do Rio Norte, AngloAmerican, e Colossus - seria capaz de extrair e refinar quantidades sem precedentes de minerais dos solos da Amazônia. Mineração que proliferam, e da Amazônia poderia olhar mais como as areias betuminosas de Alberta do que um mar de verde da floresta.

Agenda de Dilma para a Vale

Vale pode ter decidido juntar-se a barragem de Belo Monte só porque o governo brasileiro está jogando uma mão forte para obter maior controle sobre os lucros da empresa. Na verdade, Dilma enviou recentemente CEO Roger Agnelli embalagem, um passo para ganhar maior controle sobre a empresa depois que foi parcialmente privatizada há dez anos.

Tendo Vale na Barragem de Belo Monte é uma forma de o governo ter certeza de que os lucros da Vale de compras de mercadorias chinesas fluir mais facilmente para os cofres do Tesouro. Capitalizações do Tesouro para o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) tem permitido BNDES a desembolsar quantias recordes para as indústrias brasileiras, superando o montante emprestado pelos bancos de desenvolvimento multiateral na região. BNDES desembolsou 300 bilião dólares reais desde 2008, incluindo billionreais $ 20 para o Complexo da Barragem da Madeira, e uma expectativa de 25.000 milhões dólares americanos reais ou mais para o complexo da represa de Belo Monte.

Por que é um maior controle do governo de Vale um problema? Ambiental e socialmente, o tamanho das operações de mineração planejadas para a Amazônia deve assustar ninguém, se uma empresa como a Vale é privada ou estatal. A mineração é uma das atividades industriais mais poluentes do planeta, devido a ambos os imediatos seus impactos ambientais e as suas emissões de CO2. Além disso, enclaves de mineração muitas vezes levam à pobreza e conflito social, em vez de meios de subsistência melhorados e benefícios do desenvolvimento.

Financeiramente, o controle governamental do Vale é um problema porque tem havido preocupações recentes sobre a política monetária do Brasil. Alguns dizem que há uma linha direta entre o Tesouro eo BNDES, que atua como uma "economia paralela". Segundo Miriam Leitão, a ditadura militar no Brasil da mesma forma criou uma economia paralela que canalizou o dinheiro do setor público diretamente para os bolsos dos desenvolvedores de propriedade do governo. Na época, milhões de reais foram enxertados de fundos de pensão por comparsas do governo e investiu em projetos de estimação hidrelétricas como Tucuruí, Itaipu e Balbina Dam, três barragens que emitiram quantidades muito maiores de gases de efeito estufa do que de tamanho equivalente de energia de combustível fóssil plantas. Até agora, os compromissos para o financiamento da barragem de Belo Monte seguiram o exemplo, como ambos BNDES e construção consórcio Norte Energia, SA têm contado com subsídios de fundos de pensão brasileiros para bancar suas contas.

Com a Vale em Belo Monte eo governo a tomar um maior controle do setor de mineração, parece que a Amazônia vai se transformar cada vez mais em um viveiro para a mineração sujo. Durante séculos, os cidadãos da Amazônia brasileira pediram quando suas terras valerá algo maior do que os recursos extraídos a partir deles. Com a Vale agora em Belo Monte, não parecem que estará recebendo uma resposta em breve.

Além de Vale, Grande A mineradora canadense Belo dom Corp Projeto Volta em breve para beneficiar da criação da barragem de Belo Monte. "O 100% de propriedade Volta Grande Projeto está localizado cerca de 60 quilômetros a sudoeste da cidade de Altamira (pop. 100.000) na região norte do Estado do Pará. Características geológicas (Tres Palmeiras greenstone belt) nas áreas de projeto é parte do mesmo seqüências presentes no "Word Class" Província Mineral de Carajás. Atualmente, a Companhia controla os direitos de mineração e exploração de mais de uma área de 130.541 hectares (1.305 km ²) da área conhecida pela mineração artesanal de ouro. " (Fonte:

Abaixo você encontrará dois mapas para dar ao leitor uma idéia de como o impacto que este projeto terá sobre meio ambiente, indígenas e outras comunidades afetadas!

Mapas adicionais para avaliar o verdadeiro impacto próximo do Projeto Volta Grande na região pode ser encontrado em:

Para expressar a sua oposição a este projeto vá a e deixe uma mensagem em Belo Mining Corp dom página do Facebook.

No comments:

Post a Comment