Thursday, 6 September 2012

Concise Overview of the History of the #BeloMonte Project (#Brazil #StopBeloMonte) / Visão geral concisa da história do projeto de #BeloMonte (#Brasil #StopBeloMonte)

All materials except the sentence on the temporary halting of the Belo Monte Dam Project were obtained from Wikipedia at

The Belo Monte Dam (formerly known as Kararaô) is a hydroelectric dam complex on the Xingu River in the state of ParáBrazil, recently halted by the Brazilian Federal court. The planned installed capacity of the dam complex would be 11,233 megawatts (MW), which would make it the second-largest hydroelectric dam complex in Brazil and the world's third-largest in installed capacity, behind the Three Gorges Dam in China and the Brazilian-Paraguayan Itaipu Dam

However, there is opposition among the international community to the project's potential construction regarding its economic viability, the generation efficiency of the dams and impacts on the region's people and environment. In addition, critics worry that construction of the Belo Monte Dam could make the construction of other dams upstream, which could have greater impacts, more viable.
Plans for the dam began in 1975 but were soon shelved due to controversy; they were later revitalized in the late 1990s. In the 2000s, the dam was redesigned, but faced renewed controversy and (controversial) impact assessments were carried out. On 26 August 2010, a contract was signed with Norte Energia to construct the dam once the Brazilian Institute of Environment and Renewable Natural Resources (IBAMA) had issued an installation license. A partial installation license was granted on 26 January 2011 and a full license to construct the dam was issued on 1 June 2011. The licensing process and the dam's construction have been mired in federal court battles; the current ruling is that construction is allowed, because the license is based on five different environmental technical reports[3] and in accordance with the RIMA (Environmental Impact Report, EIA-RIMA) study for Belo Monte.[4] 
However, the project proponents neglected to consult the indigenous peoples in the region throughout the process leading to the present. This resulted in a temporary order to halt construction in August 2012. Efforts by environmental and indigenous activists continue to stop the construction of the Belo Monte Dam.

Environmental effects
The project is strongly criticized by indigenous people and numerous environmental organizations in Brazil plus organizations and individuals around the world.[60][61]
Belo Monte's 668 square kilometres (258 sq mi) of reservoir will flood 400 square kilometres (150 sq mi) of forest, about 0.01% of the Amazon forest.[62] Though argued to be a relatively small area for a dam’s energy output, this output cannot be fully obtained without the construction of other dams planned within the dam complex.[6] The prognosed area of reservoir ( for the Belo Monte dam and the necessary Altamira dam together will exceed 6500 km2 of rainforest.[6]
The environmental impact assessment written by Eletrobras, Odebrecht, Camargo Corrêa, and Andrade Gutierrez listed the following possible adverse effects:
  • ·      The loss of vegetation and natural spaces, with changes in fauna and flora;
  • ·      Changes in quality and path of water supply, and fish migration routes;
  • ·      Temporary disruption of the water supply in the Xingu riverbed for 7 months.

Incomplete environmental assessment
In February 2010, Brazilian environmental agency IBAMA granted an environmental license for the construction of the dam despite uproar from within the agency about incomplete information in the Environmental Impact Assessment (EIA) written by Eletrobras, Odebrecht, Camargo Corrêa, and Andrade Gutierrez.[63] Previously in October 2009, a panel composed of independent experts and specialists from Brazilian universities and research institutes issued a report on the EIA, finding "various omissions and methodological inconsistencies in the EIA..." Among the problems cited within the EIA were the project's uncertain cost, deforestation, generation capacity, greenhouse gas emissions and in particular the omission of consideration for those affected by the river being mostly diverted in the 100 km (62 mi) long "Big Bend" (Volta Grande).[64] Two senior officials at IBAMA, Leozildo Tabajara da Silva Benjamin and Sebastião Custódio Pires, resigned their posts in 2009 citing high-level political pressure to approve the project.[65] In January 2011, IBAMA president Abelardo Azevedo also resigned his post. The previous president Roberto Messias had also stepped down, citing in April 2010 that is was because of pressure from both the government and environmental organizations.[16] 140 organizations and movements from Brazil and across the globe decried the decision-making process in granting the environmental license for the dams in a letter to Brazilian President Luiz Inacio Lula da Silva in 2010.[66]

Loss of biodiversity

The fish fauna of the Xingu river is extremely rich with an estimated 600 fish species and with a high degree of endemism, with many species found nowhere else in the world.[67] The area either dried out or drowned by the dam spans the entire known world distribution of a number of species, e.g. the Zebra Pleco (Hypancistrus zebra), the Sunshine Pleco (Scobinancistrus aureatus), the Slender Dwarf Pike Cichlid (Teleocichla centisquama), the plant-eating piranha Ossubtus xinguense and the Xingu Dart-Poison frog (Allobates crombiei). An independent expert review of the costs of the dam concluded that the proposed flow through the Volta Grande meant the river "will not be capable of maintaining species diversity", risking "extinction of hundreds of species.[41]

Social effects
Although strongly criticized by indigenous leaders, the president of Brazil's EPE claims they have popular support for the dam. An 20 April 2010Folha de Sao Paulo poll showed 52% in favor of the dam.[16][22][48] The dam will directly displace over 20,000 people, mainly from the municipalities of Altamira and Vitória do Xingu. Two river diversion canals 500 metres (1,600 ft) wide by 12 kilometres (7.5 mi) long will be excavated. The canals would divert water from the main dam to the power plant. Belo Monte will flood a total area of 668 square kilometres (258 sq mi). Of the total, 400 square kilometres (150 sq mi) of flooded area will be forested land.[62] The river diversion canals will reduce river flow by to 80% in the area known as the Volta Grande ("Big Bend"), where the territories of the indigenous Juruna and Arara people, as well as sixteen other ethnic groups are located.[64] While these tribes will not be directly impacted by reservoir flooding, and therefore will not be relocated, they may suffer involuntary displacement, as the river diversion negatively affects their fisheries, groundwater, ability to transport on the river and stagnant pools of water offer an environment for water-borne diseases, an issue that is criticized for not being addressed in the Environmental Impact Assessment.[64]

Among the 20,000 to be directly displaced by reservoir flooding, resettlement programs have been identified by the government as necessary for mitigation. Norte Energia have failed to obtain free, prior, and informed consent from the Juruna and Arara indigenous tribes to be impacted by Belo Monte.[75] The project would also attract an estimated 100,000 migrants to the area.[64] An estimated 18,700 direct jobs would be created, with an additional 25,000 indirect jobs to accommodate the surge in population.[16] However, only a fraction of the direct jobs will stay available after the project’s completion, which critics have argued to spell economic disaster rather than economic prosperity.[16][64]
The influx of immigrants and construction workers has also lead to increased social tension between groups. Indigenous Groupsreport attacks and harassment, and in several occasions the destruction of property and the death of indigenous persons as a result from constructing and (illegal) logging activities.[76][77][78] External researchers indicate that the majority of the Belo Monte dam’s energy output will be relegated towards the aluminium industry, and will not benefit the people living in the area.[6] However, Norte Energia released a clarification note stating their concern with the socioeconomic development of the area, including the promise to invest R$ 3.700 billion (1,300 million GBP) into various issues.[79]

IBAMA report
The IBAMA's environmental impact assessment has listed the following possible impacts:
The generation of expectations towards the future of the local population and indigenous people;
  • An increase in the population and uncontrolled land occupation;
  • An increase in the needs of services and goods, as well as job demand;
  • A loss of housing and economic activities due to the transfer of population;
  • Improvements on the accessibility of the region;
  • Changes in the landscape, caused by the installation of support and main structures for the construction of the dam;
  • Damage to the archelological estates in the area;
  • Permanent flooding of shelters in Gravura Assurini.

However, a clarification was released by the Brazilian authorities, in which it was deemed that the assured social and economic benefits, considered for the environmental redesign and the region’s infrastructural developments, would outweigh the prognosed environmental damage.[80] Since the beginning of the project many environmental and human rights organizations have been protesting against the construction of the Belo Monte Dam e.g., Avaaz [81], Rainforest Rescue [82], Amazon Watch [83]. On the 14th of august the Brazil Federal Court halted the construction of the Belo Monte Dam on the basis that the government's authorization of the dam was unconstitutional. The government didn't hold constitutionally required meetings with indigenous communities affected by the dam before granting permission in 2005 to start with the construction.[84] This is against the Brazilian law and international human rights. However, Norte Energía, the company assigned with the construction of the Belo Monte Dam, has the possibility of an appeal to the Supreme Court [85].

Human Rights concerns
The attitude and treatment of the Brazilian government towards the affected indigenous groups is strongly criticised internationally. The UN Human Rights Council has published statements denouncing Brazil’s careless constructing,[86] and the International Labour Organization (ILO) likewise pointed out that the Brazilian state was in violation of ILO conventions (particularly convention 169)[87] – though as a non-binding contract, Brazil’s status of signatory does not oblige it to comply by these principles. Indigenous groups have questioned the government’s actions over these events,[88] but their situation remains ignored by the authorities, as shown with the May 2011 Xingu Mission report of the CDDPH (Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana),[89] of which several sections regarding accusations of human right violations were excluded by the Special Secretary for Human Rights (, Maria do Rosário Nunes.[90]

To view the references and sources for the materials provided above please go to the bottom of the page located at


Todos os materiais, exceto a sentença sobre a interrupção temporária do projecto da barragem de Belo Monte foram obtidos a partir da Wikipedia em

A hidrelétrica de Belo Monte (antigamente conhecida como Kararaô) é um complexo hidrelétrica no Rio Xingu, no estado do Pará, Brasil, recentemente interrompido pelo Tribunal Federal do Brasil. A capacidade prevista instalada do complexo da represa seria 11.233 megawatts (MW), o que o torna o segundo maior complexo de usina hidrelétrica no Brasil e no mundo, a terceira maior em capacidade instalada, atrás da represa de Três Gargantas, na China e no Brasil- paraguaia Itaipu.

No entanto, há uma oposição entre a comunidade internacional para a construção potencial do projeto quanto à sua viabilidade econômica, a eficiência de geração das represas e impactos sobre os povos da região e meio ambiente. Além disso, os críticos temem que a construção da represa de Belo Monte poderia fazer a construção de outras barragens a montante, o que poderia ter impactos maiores, mais viáveis.

Os planos para a barragem começou em 1975, mas foram logo arquivado devido à controvérsia, pois eles foram mais tarde revitalizada no final de 1990. Na década de 2000, a barragem foi redesenhado, mas enfrentou controvérsia renovada e (controversa) avaliações de impacto foram realizadas. Em 26 de agosto de 2010, foi assinado um contrato com a Norte Energia para a construção da barragem de uma vez que o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis ​​(Ibama) emitiu a licença de instalação. A licença de instalação parcial foi concedida em 26 de janeiro de 2011 e uma licença completa para a construção da barragem foi emitida em 1 de Junho de 2011. O processo de licenciamento e construção da barragem ter sido envolvido em batalhas judiciais federais, a decisão atual é de que a construção é permitida, porque a licença é baseada em cinco diferentes ambientais relatórios técnicos [3] e de acordo com o RIMA Relatório de Impacto (Ambiental, EIA -RIMA estudo) para Belo Monte. [4]

No entanto, os proponentes do projeto deixou de consultar os povos indígenas da região durante todo o processo que conduziu à presente. Isto resultou em uma ordem temporária para suspender a construção em agosto de 2012. Os esforços dos ativistas ambientais e indígenas continuam a parar a construção da barragem de Belo Monte.

Efeitos ambientais

O projeto é fortemente criticado pelos povos indígenas e numerosas organizações ambientais no Brasil, além de organizações e indivíduos em todo o mundo. [60] [61]

668 de Belo Monte quilômetros quadrados (258 sq mi) do reservatório inundará 400 quilômetros quadrados (150 sq mi) de floresta, cerca de 0,01% da floresta amazônica. [62] Embora argumentou ser uma área relativamente pequena para a saída de uma barragem de energia, esta saída não pode ser totalmente obtida sem a construção de outras barragens planejadas dentro do complexo de barragens. [6] A área do reservatório prognosed ( para a barragem de Belo Monte e Altamira do necessário barragem, em conjunto, exceder 6.500 km2 de floresta tropical. [6]

A avaliação de impacto ambiental escrito pela Eletrobras, Odebrecht, Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez e listou os seguintes possíveis efeitos adversos:

·      * A perda de vegetação e espaços naturais, com mudanças na fauna e flora;
·      * Alterações na qualidade e caminho de abastecimento de água e rotas de migração de peixes;
·     * Interrupção temporária do abastecimento de água no leito do rio Xingu por 7 meses.

Avaliação ambiental incompleta

Em fevereiro de 2010, o IBAMA agência ambiental brasileira concedeu uma licença ambiental para a construção da barragem, apesar tumulto dentro da agência sobre informações incompletas na Avaliação de Impacto Ambiental (EIA), escrito pela Eletrobras, Odebrecht, Camargo Corrêa e Andrade Gutierrez. [63 ] Anteriormente, em outubro de 2009, um painel composto por peritos independentes e especialistas de universidades brasileiras e institutos de pesquisa, publicou um relatório sobre o EIA, encontrar "várias omissões e inconsistências metodológicas no EIA ..." Entre os problemas citados no EIA foram custo incerto do projeto, o desmatamento, a capacidade de geração, as emissões de gases de efeito estufa e, em particular, a omissão de consideração para os afetados pelo rio sendo mais desviado no km 100 (62 km) "Big Bend" longa (Volta Grande). [64] Dois altos funcionários do Ibama, Leozildo Tabajara da Silva Benjamin e Sebastião Custódio Pires, renunciaram a seus cargos em 2009, citando alto nível de pressão política para aprovar o projeto. [65] Em janeiro de 2011, o IBAMA presidente Abelardo Azevedo também renunciou a seu posto. O anterior presidente Roberto Messias também renunciou, citando em abril de 2010 que é foi por causa da pressão por parte do governo e de organizações ambientais. [16] de 140 organizações e movimentos do Brasil e de todo o mundo criticaram o processo de tomada de decisão na concessão do licença ambiental para as barragens em uma carta ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2010. [66]

Perda de biodiversidade

A fauna de peixes do rio Xingu é extremamente rico, com cerca de 600 espécies de peixes e com um alto grau de endemismo, com muitas espécies não encontradas em nenhum outro lugar do mundo. [67] A área ou secas ou afogado pela barragem abrange todo o distribuição mundial conhecida de um número de espécies, por exemplo, o acari zebra (Hypancistrus zebra), o Pleco Sunshine (Scobinancistrus aureatus), o Magro Anão Pike Cichlid (Teleocichla centisquama), a fábrica de comer piranha Ossubtus xinguense e Xingu sapo Dart-Veneno (Allobates crombiei). Uma revisão perito independente dos custos da barragem concluiu que o fluxo proposto através da Volta Grande do rio significava "não será capaz de manter a diversidade de espécies", arriscando-se "a extinção de centenas de espécies. [41]

Efeitos sociais

Embora fortemente criticado por lideranças indígenas, o presidente da EPE do Brasil afirma que eles têm o apoio popular para a barragem. Um 20 de abril 2010Folha de São Paulo pesquisa mostrou que 52% a favor da barragem. [16] [22] [48] A barragem irá deslocar diretamente mais de 20.000 pessoas, principalmente dos municípios de Altamira e Vitória do Xingu. Dois canais de desvio do rio 500 metros (1.600 pés) de largura por 12 km (7,5 milhas) de comprimento será escavado. Os canais seria desviar a água da barragem principal da usina. Belo Monte inundará uma área total de 668 quilômetros quadrados (258 sq mi). Do total, 400 quilômetros quadrados (150 sq mi) de área inundada será florestada terra. [62] Os canais de desvio do rio vai reduzir o fluxo do rio por até 80% na área conhecida como Volta Grande ("Big Bend"), onde os territórios dos indígenas e Juruna povo Arara, bem como 16 outros grupos étnicos estão localizados. [64] Enquanto essas tribos não será diretamente impactada por enchimento do reservatório e, portanto, não serão realocados, eles podem sofrer deslocamento involuntário, como o desvio do rio afeta negativamente suas pescarias, as águas subterrâneas, a capacidade para transportar no rio e piscinas de água estagnada oferecer um ambiente para doenças transmitidas pela água, uma questão que é criticado por não ser abordado na Avaliação de Impacto Ambiental. [64]

Entre os 20.000 a ser diretamente deslocadas pelo alagamento do reservatório, programas de reassentamento foram identificados pelo governo como necessária para a mitigação. Norte Energia não conseguiram obter o consentimento livre, prévio e informado do Juruna e Arara tribos indígenas a serem afetadas por Belo Monte. [75] O projeto também atrair um número estimado de 100.000 migrantes para a área. [64] Estima-se que 18.700 direto empregos seriam criados, com um adicional de 25 mil empregos indiretos para acomodar o aumento da população. [16] No entanto, apenas uma fração dos empregos diretos vai ficar disponível após a conclusão do projeto, que os críticos têm argumentado que um desastre econômico, em vez de prosperidade econômica [16]. [64]

O afluxo de imigrantes e trabalhadores da construção civil também levar ao aumento da tensão social entre os grupos. Groupsreport ataques indígenas e assédio, e em várias ocasiões, a destruição de bens e morte de pessoas indígenas como resultado da construção e (ilegal) atividade madeireira. [76] [77] [78] pesquisadores externos indicam que a maioria do Belo saída de Monte barragem de energia será relegado para a indústria de alumínio, e não vai beneficiar as pessoas que vivem na área. [6] No entanto, Norte Energia divulgou uma nota de esclarecimento afirmando a sua preocupação com o desenvolvimento socioeconômico da região, incluindo a promessa de investir R $ 3,700 bilhões (1,300 milhões de libras esterlinas) em várias questões. [79]

IBAMA relatório

A avaliação do impacto ambiental do Ibama listou os seguintes impactos possíveis:

A geração de expectativas para o futuro da população local e dos povos indígenas;

*   Um aumento na população e ocupação do solo sem controle;
*   Um aumento nas necessidades de serviços e bens, bem como a demanda de trabalho;
*   A perda de habitação e actividades económicas, devido à transferência de população;
*   Melhorias na acessibilidade da região;
*   Mudanças na paisagem, causados ​​pela instalação de estruturas de suporte e principal para o construção da barragem;
*   Inundação permanente de abrigos em Gravura Assurini.

No entanto, um esclarecimento foi liberado pelas autoridades brasileiras, em que foi considerado que os benefícios assegurados sociais e econômicos, considerados para o redesenho ambiental e desenvolvimento de infra-estrutura da região, que superam os danos prognosed ambiental. [80] Desde o início da projeto muitas organizações ambientais e de direitos humanos têm vindo a protestar contra a construção da barragem de Belo Monte, por exemplo, a Avaaz [81], Rescue Rainforest [82], a Amazon Watch [83]. No dia 14 de agosto, o Brasil Tribunal Federal suspendeu a construção da barragem de Belo Monte na base de que a autorização do governo da barragem era inconstitucional. O governo não segurar constitucionalmente reuniões necessárias com as comunidades indígenas afetadas pela barragem antes de conceder a permissão em 2005 para começar a construção. [84] Isto é contra a lei brasileira e internacional de direitos humanos. No entanto, o Norte Energia, empresa atribuído com a construção da barragem de Belo Monte, tem a possibilidade de recurso para o Supremo Tribunal [85].

Direitos Humanos preocupações

A atitude eo tratamento do governo brasileiro para os grupos indígenas afetados é fortemente criticado internacionalmente. O Conselho dos Direitos Humanos publicou declarações denunciando descuidado a construção do Brasil, [86] e da Organização Internacional do Trabalho (OIT) também apontou que o Estado brasileiro foi uma violação das convenções da OIT (particularmente convenção 169) [87] - ainda que como um não vinculativo contrato, o status do Brasil de signatário não o obriga a cumprir por estes princípios. Grupos indígenas questionaram as ações do governo sobre esses eventos, [88], mas a sua situação permanece ignorada pelas autoridades, como mostrado com o relatório da Missão de maio 2011 Xingu do CDDPH (Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana), [89] de quais seções variadas sobre as acusações de violações de direitos humanos foram excluídos pelo Secretário Especial de Direitos Humanos (, Maria do Rosário Nunes. [90]

Para ver as referências e fontes para os materiais fornecidos acima, por favor vá para o fundo da página localizado na

No comments:

Post a Comment