Tuesday, 3 July 2012

#Brazil tribes occupy contentious dam site (#Indigenous #BeloMonte) / #Tribos #brasileiras ocupam local da barragem contenciosa (#Indígena #BeloMonte)

About 150 indigenous people are protesting a massive dam they say will dry 
up the river their livelihood depends on.

Altamira, Brazil - A cluster of 12 men from the Xikrin tribe chant in their native language while
marching together, arms interlocked, stomping their feet against the dry red dirt. They say this is
their call of resistance from the Amazon.

The Xikrin are joined by about 150 indigenous people from three other tribes - the Arara, Juruna, and
Parakana - that are occupying one of the work sites at the Belo Monte dam construction site in what is
becoming a high-stakes standoff. The occupation, which is entering its second week, has halted a part
of the construction on what will be the world's third-largest hydroelectric dam.

At the site of the protest, visited by Al Jazeera on Wednesday, the tribesmen were carrying clubs and
spears and had built rudimentary sleeping quarters in what has essentially become a non-violent sit-in.
An anthropologist was with them, typing away at her laptop as the indigenous people articulated their

The tribes are occupying a road, built by the dam builders, which cuts through part of the Xingu River's
waterways. The road blocks the natural flow of the waters.

"The workers were scared, so they immediately ran when we arrived," said Bepumuiti, from the Juruna tribe. "They probably thought they were going to die."

The occupation of the site began at about 11 am on June 21 and played out like something from a fictional Hollywood movie. The indigenous people arrived at the work site in half a dozen small boats, charged the area, and announced that they were taking over. The construction workers, seeing the tribesmen with their faces painted for combat and armed with spears, immediately fled for safety.

The tribesmen confiscated the keys to more than three dozen dump trucks and heavy machinery left behind.

Brazil tribes occupy hydroelectric dam project

What the indigenous people want
Last year, a series of conditions were agreed upon with the indigenous people to reduce the impact of the construction of the dam on their communities. Some of the conditions included the demarcation of indigenous lands, the construction of health facilities and schools, and means of transportation for the tribal people when the rivers dry up.

In exchange for their agreement, the indigenous said they would not forcefully oppose the dam construction.
The problem, the indigenous now say, is that while the construction of the dam steams ahead, the promises made by the consortium building the dam and by government-led Norte Energia - the energy company overseeing the dam - have yet to be fulfilled.

So the tribes decided to invade. This was a historic and significant move, because the decision was made without the assistance or knowledge of local or international NGOs or government rights bodies, who in the past often assisted tribes during protest movements.

"We would not be here today if the builders and the government would have done what they promised us," Bebtok, a tribe elder from the Xikrin tribe, told Al Jazeera. "In my community, nothing has been done. There is no quality health post, there is no school, they have not built a road for us. My road is the river and that is going to be dried up."

Since October, the tribes most affected by the construction of the dam have been receiving a budget of about $15,000 from the government, through which they can request anything they want, such as gasoline for their boats, food or construction material.

But the tribes have been told that the money - called "emergency assistance" in government parlance - will stop later this year, infuriating the tribal people at the very moment they are starting to feel the negative impacts of the dam, they say.

The indigenous people are now also starting to see the impact the construction is having on their lives. Surara, from the Parakana tribe, showed Al Jazeera how a road built on the construction site through a natural waterway of the Xingu river has already started to dry out one side of the river.

"We were always navigating this river because we know this river like the palm of our hands," Surara said. "And today, as you can see, it's very dry. That is sad for us."

Surara predicted that, at the current pace of construction, in two years the tribe will no longer be able to reach their community by boat because of the changes in water levels. The tribes have a new list of demands they want fulfilled before they say they will end their occupation.

Response from government and builders
The tribes' occupation of the dam seemed to catch the dam builders and the government by surprise. In response, Norte Energia has taken what seems like a peculiar approach that involves two very opposite responses, using the carrot and the stick at the same time. Three days after the occupation began, a judge rejected a request to have the indigenous evicted by force from the area.

Last week, Norte Energia refused an Al Jazeera request for an interview on the matter. Norte Energia has said in the past that the economic and social assistance packages to help the tribes will be implemented at various points during the entirety of the project, as previously agreed upon.

At the same time, Norte Energia is providing the indigenous people three meals a day at the occupation site. Often times, a representative from the company will show up at the site during a meal and ask the indigenous people for the keys back to their heavy machinery. So far, the tribes have refused to hand them over.

Behind the scenes, the company is facing a daunting task. Not only do each of the four tribes involved in the occupation have their own set of demands, but there are also as many as 35 different sub-communities within the tribes taking part in the occupation, and each have their own interests and requests they want met.

Activists face arrest
Pressure is building on multiple fronts. Construction of the dam ramped up earlier this year, and there are strict timetables to get the dam up and running by late 2014.

Aside from the indigenous protest, several other tense issues surrounding the dam are coalescing at the same time.

In Altamira, the closest city to the dam site, 11 people - all unaffiliated with the indigenous protest now occurring - are fighting arrest warrants after being accused of helping organise an anti-dam protest earlier in June that the dam builders say led to property damage. Local TV channels have been airing video of broken windows and the burning of office equipment at the construction site.

The activists facing possible arrest all deny they were involved, and say any protests they organised were peaceful and legal. They include, among others, a Catholic priest, a nun, some members of Xingu Vivo Para Sempre - a local anti-dam NGO - as well as a local fisherman featured in an Al Jazeera report in January
Police have an open investigation, and have yet to formally announce if charges will be filed. However, even the threat of jail time has sent a chill through the tight-knit community of local anti-dam activists.

How will it end?
"As long as they don't do anything in our communities regarding infrastructure, we are not leaving the occupation."
- Giliardi, Juruna tribe
On Thursday, in the city of Altamira, more than 60 of the indigenous occupiers met with a high-level delegation from Brasilia that included the president of Norte Energia.

The meeting lasted nearly four hours, and was closed to the media. The indigenous people discussed their demands to end the protest, but no agreement was reached. Norte Energia said they needed to take the requests back to Brasilia for analysis. A new meeting was set for July 9. In the meantime, the tribes say their occupation will continue. It was also agreed by all sides that work will continue on the parts of the construction site not under the control of the tribes.

"This was a very friendly conversation; the tribe elders are very wise and measured," said Carlos Nascimento, president of Norte Energia, in a brief press conference after the meeting. "There are some young tribesmen that want some improvements, and as much as we can, we will do anything in our power so these kinds of things will not happen again."

The indigenous seemed determined to keep up the fight for as long as it takes. "What we asked for, the dam builders did not give us an answer to, so we will only leave the construction site when they bring an answer to us on paper," Giliardi, from the Juruna tribe, said after the meeting. "And as long as they don't do anything in our communities regarding infrastructure, we are not leaving the occupation."

Meanwhile, more boats loaded with indigenous people are arriving at the protest site every day. It is an indication that this standoff in the Amazon could drag on for days to come.

Follow Gabriel Elizondo on Twitter @elizondogabriel
Follow Maria Elena Romero on Twitter @MarBrazil


Cerca de 150 indígenas estão protestando contra uma represa enorme que eles dizem que vai secar
o rio o seu sustento depende. 

Altamira, Brasil - Um grupo de 12 homens da tribo Xikrin cantar em sua língua nativa, enquanto
marchando juntos, de braços entrelaçados, pisando os pés contra a sujeira tinto seco. Eles dizem que esta é a sua chamada de resistência da Amazônia.

Os Xikrin são unidas por cerca de 150 indígenas de três tribos outros - o Arara, Juruna, Parakanã e - que estão ocupando um dos locais de trabalho no canteiro de obras da barragem Belo Monte no que está se tornando um impasse de alto risco. A ocupação, que está entrando em sua segunda semana, parou uma parte
da construção sobre o que será represa do mundo a terceira maior hidrelétrica.

No local do protesto, visitada por Al Jazeera na quarta-feira, os homens da tribo estavam carregando clubes e lanças e tinha construído rudimentares quartos de dormir, no que tem, essencialmente, tornar-se um não-violenta sit-in.

Um antropólogo estava com eles, teclando em seu laptop como os povos indígenas articularam suas demandas.

As tribos estão ocupando uma estrada, construída pelos construtores de barragens, que corta parte dos cursos de água do rio Xingu. A estrada bloqueia o fluxo natural das águas.

A ocupação do local começou por volta das 11 horas do dia 21 de junho e jogado fora como algo de um filme de Hollywood de ficção. Os indígenas chegaram ao local de trabalho em meia dúzia de pequenos barcos, cobrado na área, e anunciou que eles estavam tomando. Os trabalhadores da construção, vendo os homens da tribo, com os rostos pintados para o combate e armados com lanças, imediatamente fugiu para a segurança.

Os homens da tribo confiscou as chaves para mais de três dezenas de caminhões e máquinas pesadas deixadas para trás.

Tribos brasileiras ocupam projeto hidrelétrica

O que os povos indígenas querem
No ano passado, uma série de condições foram acordadas com os povos indígenas para reduzir o impacto da construção da barragem em suas comunidades. Algumas das condições incluídas na demarcação de terras indígenas, a construção de instalações de saúde e escolas, e meios de transporte para os povos tribais quando os rios secam.

Em troca de seu acordo, os indígenas disseram que não iria se opor vigorosamente a construção da barragem.
O problema, os indígenas agora dizer, é que enquanto a construção da barragem steams frente, as promessas feitas pelo consórcio construção da barragem e pelo governo liderado Norte Energia - a empresa de energia supervisionar a barragem - ainda têm de ser cumpridas.

Assim, as tribos decidiram invadir. Este foi um movimento histórico e significativo, pois a decisão foi tomada sem a ajuda ou o conhecimento de ONGs locais ou internacionais ou organismos de direitos do governo, que nas tribos do passado muitas vezes assistidos durante os movimentos de protesto.

"Nós não estaríamos aqui hoje, se os construtores eo governo teria feito o que nos prometeu", Bebtok, uma tribo mais velho da tribo Xikrin, disse à Al Jazeera. "Na minha comunidade, nada foi feito. Não há posto de saúde de qualidade, não há escola, não ter construído uma estrada para nós. Minha estrada é o rio e que vai ser secou."

Desde outubro, as tribos mais atingidas pela construção da barragem têm recebido um orçamento de cerca de US $ 15.000 do governo, através do qual eles podem pedir o que quiserem, como a gasolina para os barcos, alimentos ou material de construção.

Porém, as tribos foram informados de que o dinheiro - "ajuda de emergência" chamado no jargão do governo - vai parar no final deste ano, enfurecendo os povos tribais no momento em que eles estão começando a sentir os impactos negativos da barragem, dizem eles.

Os povos indígenas estão agora começando a ver o impacto que a construção está a ter nas suas vidas. Surara, da tribo Parakanã, mostrou Al Jazeera como uma estrada construída no canteiro de obras através de um curso de água natural do rio Xingu já começou a secar um lado do rio.

"Estávamos sempre a navegar este rio, porque nós sabemos que este rio como a palma de nossas mãos", disse Surara. "E hoje, como você pode ver, é muito seco. Isso é triste para nós."

Surara previu que, no atual ritmo de construção, em dois anos, a tribo já não será capaz de alcançar sua comunidade de barco por causa das alterações nos níveis de água. As tribos têm uma nova lista de exigências que eles querem cumprida antes que eles dizem que vão acabar com sua ocupação.

Resposta do governo e construtores
Ocupação das tribos da barragem parecia pegar os construtores de barragens eo governo de surpresa. Em resposta, Norte Energia tomou o que parece ser uma abordagem peculiar que envolve duas respostas muito opostas, usando o cenoura e do bastão, ao mesmo tempo. Três dias após o início da ocupação, um juiz rejeitou um pedido para que os indígenas expulsos à força da área.

Na semana passada, Norte Energia recusou um pedido Al Jazeera para uma entrevista sobre o assunto. Norte Energia disse no passado que os pacotes de assistência econômica e social para ajudar as tribos serão implementadas em vários pontos durante a totalidade do projeto, conforme previamente acordado.

Ao mesmo tempo, Norte Energia está fornecendo os povos indígenas três refeições por dia no local da ocupação. Muitas vezes, um representante da empresa vai aparecer no local durante uma refeição e pedir aos povos indígenas, para as chaves de volta à sua maquinaria pesada. Até agora, as tribos se recusaram a entregá-los.

Nos bastidores, a empresa está enfrentando uma tarefa difícil. Não só cada uma das quatro tribos envolvidas na ocupação tem seu próprio conjunto de demandas, mas também existem tantos como 35 diferentes sub-comunidades dentro das tribos que participam da ocupação, e cada um tem seus próprios interesses e pedidos que eles querem atendidas.

Os ativistas enfrentaram prisão
A pressão está aumentando em várias frentes. A construção da barragem até ramped no início deste ano, e há horários rígidos para obter a barragem em funcionamento até final de 2014.

Além do protesto indígena, vários outros problemas de tensão em torno da barragem são coalescente, ao mesmo tempo.

Em Altamira, a cidade mais próxima do local da barragem, 11 pessoas - todos sem filiação com o protesto indígena ocorrendo agora - estão lutando mandados de prisão após ser acusado de ajudar a organizar um protesto anti-barragem no início de junho que os construtores de barragens dizem que levou a danos à propriedade . Canais de TV locais foram ao ar vídeo de janelas quebradas e da queima de equipamento de escritório no canteiro de obras.

Os ativistas que enfrentam prisão possível negar todos eles estavam envolvidos, e dizer que eles organizaram os protestos foram pacíficos e legais. Eles incluem, entre outros, um padre católico, uma freira, alguns membros do Xingu Vivo para Sempre - uma ONG anti-barragem local - assim como um pescador local de destaque em um relatório da Al Jazeera em janeiro.

A polícia tem uma investigação aberta, e ainda têm de anunciar formalmente se as acusações serão arquivadas. No entanto, mesmo a ameaça de prisão enviou um arrepio pela comunidade unida de locais anti-barragens ativistas.

Como isso vai acabar?
"Enquanto eles não fazem nada em nossas comunidades a respeito da infra-estrutura, não vamos sair da ocupação."
- Giliardi, Juruna tribo
Na quinta-feira, na cidade de Altamira, mais de 60 dos ocupantes indígenas se reuniram com uma delegação de alto nível de Brasília, que incluía o presidente da Norte Energia.

O encontro durou quase quatro horas, e foi fechado para a imprensa. Os povos indígenas discutiram suas demandas para acabar com o protesto, mas nenhum acordo foi alcançado. Norte Energia disse que eles precisavam tomar as solicitações de volta a Brasília para análise. Uma nova reunião foi marcada para 9 de julho. Enquanto isso, as tribos dizem que sua ocupação vai continuar. Também foi acordado por todos os lados que prosseguirão os trabalhos sobre as partes do canteiro de obras não sob o controle das tribos.

"Esta foi uma conversa muito amigável, os anciãos tribo são muito sábio e medido", disse Carlos Nascimento, presidente da Norte Energia, numa breve conferência de imprensa após a reunião. "Há algumas tribos jovens que querem algumas melhorias, e, tanto quanto pudermos, faremos tudo ao nosso alcance para que esse tipo de coisa não acontecerá novamente."

O indígena parecia determinado a manter a luta pelo tempo que for preciso. "O que nós pedimos, os construtores de barragens não nos deu uma resposta, por isso vamos apenas deixar o canteiro de obras quando eles trazem uma resposta para nós no papel", Giliardi, da tribo Juruna, disse após a reunião. "E enquanto eles não fazem nada em nossas comunidades a respeito da infra-estrutura, não vamos sair da ocupação."

Enquanto isso, mais barcos carregados com os povos indígenas estão chegando ao local do protesto a cada dia. É uma indicação de que este impasse na Amazônia pode se arrastar por dias que virão.

Siga Gabriel Elizondo no Twitter @elizondogabriel
Siga Maria Elena Romero no Twitter @MarBrazil

No comments:

Post a Comment