Wednesday, 13 June 2012

Belo Monte - #Brazil's damned democracy (#XinguVivo #Xingu23) / Belo Monte - Democracia barrada no #Brasil (#XinguVivo #Xingu23)

By Manuela Picq

**A tradução Português (que infelizmente foi feito usando o Google Translate), pode ser encontrado logo abaixo do texto em Inglês. Eu também tive alguns problemas com a formatação do texto Português. Espero que para corrigir aqueles esta noite!**

The Belo Monte dam project shows the government's failure to respect indigenous rights and reform energy policy.

The Belo Monte Dam will be the third largest in the world, displacing around 200,000 people [EPA]

Quito, Ecuador- It's rather ironic to find commonalities between President Rousseff's government and 
past Brazilian military regimes. Brazil's President Dilma Rousseff is particularly emblematic of 
democracy's victory over dictatorship.

Not only has she consolidated democratic politics and overseen continued growth in the world's sixth 
largest economy, Brazil's first female head of state was once a guerrilla jailed and tortured by the 
military regime. She has pushed for a Truth Commission, forcing the military to bend to accountability and transparency.

Simultaneously, however, she is pushing forward the Belo Monte Dam, the largest in Brazil and the third 
largest in the world, thus following in the footsteps of the developmental policies the military regime 
once pursued in the Amazon.

Belo Monte perpetuates military strategies to develop the country by modernising the Amazon. Despite widespread opposition against the social and environmental costs of this huge hydroelectric plant, 
Rousseff has stubbornly advanced with little respect for national and international norms.

Across the region, mega-projects are drowning entire ecosystems and damning democracy. Beyond the 
long-term, irreversible impact of the Amazon dams, the tale of Belo Monte calls attention to what the left 
has yet to learn about democracy.

From Balbina to Belo Monte

Many predict Belo Monte will be another Balbina. Built on the Uatuma River, the Balbina hydroelectric 
plant was one of the many mega-projects the military government (1964 - 1985) constructed in the 
Amazon in the name of national development. The plant, which cost about a US $1bn, destroyed 240 
thousand hectares of forest. To give an idea of the scale, this represents about seven times the 
Guanabara Bay in Rio de Janeiro.

 Inside Story - The real cost of Brazil's dam
Balbina began operations in 1989 with devastating human and ecological impacts. It drowned fauna, flora and contaminated water supplies, resulting in food and health problems. It also displaced populous indigenous villages located along the Uatuma. In 1988, the year Brazil approved its current democratic constitution, Egydio Schwade denounced Balbina's suppression of the Atroari communities in the area. The eight villages initially reported in government records in 1972 became six a couple of years later, then only two were officially relocated once the area was submerged.
Balbina became the classic example of what not to do. Its energy production never justified the extent of destruction. The lake inundated 2360 km2 for an energy potential of 250MW, reportedly providing a 
steady output of 80MW for the city of Manaus today. Balbina is also criticised for emitting more 
greenhouse gases than would be produced by burning natural gas for comparable electricity generation. 
As the country's most inefficient plant, it is considered the largest environmental disaster in Brazilian 
history. José Goldemberg, a leading Brazilian scientist at the World Commission of Dams, 
recommended closing it and keeping the building as a monument to humanity's insanity.

Belo Monte will submerge a huge forest area with a limited energy potential, promising similar consequences. 
It is expected to displace about fifty thousand people in the municipality of Altamira alone. Even official 
reports predict Belo Monte will function below the average efficiency of hydroelectric dams in Brazil, merely 
at 41 per cent of total capacity. Nevertheless, the government justifies the dam to sustain growth and 
eradicate poverty, guaranteeing the project's sustainability by assuring the Xingu River will have enough 
water for indigenous people to fish and navigate, "even during periods of drought".

Without prior consultation

Belo Monte has generated widespread opposition, in Brazil and abroad. In fact, almost everyone agrees 
it's a bad idea. The project was resisted by local and global civil society groups, condemned by scientists, 
and ordered to stop by Brazil's Public Ministry. Public figures and actors produced a video asking citizens 
to take action for the sake of future generations. Nearly a thousand indigenous peoples stood their ground 
in protest for a week in front of the Brazilian Congress. Stirring international attention, international NGOs 
and intergovernmental bodies have expressed their disapproval and demanded for accountability.

Belo Monte already has a record for violating the human rights of indigenous peoples. The Brazilian Public Ministry ordered a halt to construction because of concerns regarding human rights violations. The Inter-American Commission on Human Rights requested clarification concerning the fate of the 
traditional communities in the Xingu River basin, especially regarding the impact of water contamination 
and population displacement. Subsequently, the International Labour Organisation declared that Brazil's 
failure to consult on the mega-dam violated its treaty obligations to respect the rights of indigenous 

The Belo Monte case crystallises the debt of the Brazilian state to indigenous peoples. Since 1991, 
Congress has been deliberating on the Statute of Indigenous Peoples and has still not approved a 
proposal to demarcate and protect indigenous lands. Most of the small farmers displaced by Belo Monte 
have no formal legal title to their lands, and those who have received compensation got paid well under 
market value. According to the Catholic Church's Indigenous Missionary Council, 434 projects will 
directly impact or indirectly impact indigenous territories. Almost 200 of these projects are geared 
toward energy production, many of them hydroelectric plants.

This is but a snapshot of the rights Brazilian democracy owes to half a million indigenous peoples 
from 227 ethnic groups who occupy 13 per cent of the national territory.


The Belo Monte affair exemplifies a certain approach to hydro-politics. The problem is not exactly the stubbornness of President Rousseff but rather what the government's failure to respect indigenous rights 
and to rethink energy policy in a collective manner says about the quality of democracy. Eschewing 
informed, prior consultation regarding the wisdom of mega-infrastructure projects in the Amazon makes 
visible the disdain for indigenous rights and authority, while awkwardly recalling the policies of the 
dictatorship. The deaf ear for critics and the impunity for violating international norms evoke top-down 
decisions made behind 
closed doors.

Then there is the regional context. Across the Americas, energy policies, and hydroelectric projects in 
particular, are being imposed in a similar authoritarian fashion. President Obama is permitting Shell to 
drill in the Arctic Ocean despite widespread opposition ranging from indigenous peoples to scientific 
groups. On February 14 2011, the Colombian government violently removed protesters blocking plans 
to divert the Magdalena River for the Quimbo Dam. In the entire Amazon, there are reportedly 150 
hydroelectric plants planned, 60 of them in Brazil. The Belo Monte dam rings the alarm bell because 
of its scale, but Rousseff is not alone.
 Brazil megadam washes 
residents away

While successful left-wing governments may be promoting socio-economic inclusion, their energy policies all too frequently evade consultation and dismiss social protest as well as contrary scientific studies. Invoking a discourse that subjugates the means to an end of development, Rousseff justifies Belo Monte as a necessary component of growth. But she, of all people, should not ignore the importance of consensual and participatory decision-making.
More than a decade ago, Nobel Prize winner Amartya Senstressed three important ways in which democracy enables development. First, he observed, democracy is intrinsic to freedom - it is inherently fair to express opinions on energy policy. Second, democracy is instrumental to expand freedoms - people have stakes on which energy policies to develop. 

Third, democracy plays a constructive role in identifying solutions to new challenges- the growing 
demand for energy has no immediate, single solution thus requiring collective dialogues to create new 

Democratic politics is key to developing alternatives capable of holding national governments and the 
global energy industry accountable. Belo Monte is about the future of the Amazon as much as it is 
about bauxite mining and global industries and state policies that respect indigenous rights to self-determination.

To rethink energy policy - and Belo Monte - is not to give in to hippie views of the world. It is about 
recognising the value of collective decision-making. "The more, the merrier," people say. We could add 
"the more, the smarter".

Manuela Picq has just completed her time as a visiting professor and research fellow at 
Amherst College.


Quito, Equador - É bastante irônico para encontrar

pontos em comum entre o governo do presidente Rousseff e passado brasileiro 

regimes militares. Presidente do Brasil Dilma Rousseff é particularmente emblemático 

da vitória da democracia sobre a ditadura.

Não só ela tem consolidadas as políticas democráticas
e supervisionado crescimento contínuo na sexta maior economia do mundo, primeira cabeça do Brasil 
feminina de estado já foi um guerrilheiro preso e torturado pelo regime militar. Ela levou para uma Comissão da Verdade, obrigando os militares a dobrar para responsabilização e transparência.

Simultaneamente, no entanto, ela está empurrando para
a frente a hidrelétrica de Belo Monte, o maior do Brasil
eo terceiro maior no mundo, seguindo assim os passos
das políticas desenvolvimentistas do regime militar, uma
vez desenvolvidas na Amazônia.

Belo Monte perpetua estratégias militares para
desenvolver o país através da modernização da
Amazônia. Apesar da oposição generalizada contra os custos sociais e ambientais desta planta grande
hidrelétrica, tem teimosamente Rousseff avançou
com pouco respeito por normas nacionais e

Em toda a região, mega-projetos estão se afogando ecossistemas inteiros e condenar a democracia. Além
do impacto a longo prazo, irreversível do barragens da Amazônia, o conto de Belo Monte chama a atenção 
para o que a esquerda ainda tem que aprender sobre a democracia.

De Balbina para Belo Monte

Muitos prevêem Belo Monte será outro Balbina.
Construído sobre o rio Uatumã, a Usina Hidrelétrica
de Balbina foi um dos muitos mega-projectos do
governo militar (1964 - 1985) construídas na Amazônia,
em nome do desenvolvimento nacional. A usina, que
custou cerca de um 1 bilhão EUA $, destruiu 240mil hectares de floresta. Para dar uma idéia da escala, o
que representa cerca de sete vezes a Baía de
Guanabara, no Rio de Janeiro.

Balbina iniciou suas operações em 1989, com
devastadores impactos humanos e ecológicos. Ele
se afogou fauna, flora e fontes de água contaminadas, resultando em problemas de alimentação e saúde.
Também deslocado populosas aldeias indígenas
localizadas ao longo do Uatumã. Em 1988, o ano,
o Brasil aprovou a sua atual constituição democrática, Egydio Schwade denunciou supressão de Balbina 
das comunidades Atroari na área. As oito aldeias inicialmente relatadas em 
registros do governo em 1972 tornou-se um par de seis anos depois, apenas
dois foram oficialmente transferida uma vez que a área estava submersa.

Balbina tornou-se o exemplo clássico do que não fazer.
Sua produção de energia nunca justificou a extensão
da destruição. O lago inundou 2.360 km2 para um
potencial energético de 250 MW, supostamente
fornecendo uma saída constante de 80mW para a
cidade de Manaus hoje. Balbina também é criticado
por emitir maisgases de efeito estufa do que seria
produzido pela queima de gás natural para geração
de eletricidade comparável.

Como planta mais ineficiente do país, é considerado o
maior desastre ambiental da história brasileira. José Goldemberg, um importante cientista brasileiro na
Comissão Mundial de Barragens, recomendado
fechá-lo e manter o edifício como um monumento à insanidade da humanidade.

Belo Monte irá submergir uma área de floresta enorme,
com um potencial de energia limitada, prometendo consequências semelhantes.

Espera-se para deslocar cerca de 50 mil pessoas
no município de Altamira sozinho. Mesmo relatórios
oficiais prever Belo Monte vai funcionar abaixo da
média de eficiência de usinas hidrelétricas no Brasil,
apenas em 41 por cento da capacidade total. No
entanto, o governo justifica a barragem para sustentar
o crescimento e erradicar a pobreza, garantindo a sustentabilidade do projeto, assegurando o rio Xingu
terá água suficiente para os povos indígenas para
pescar e navegar ", mesmo durante períodos de seca".

Sem consulta prévia

Belo Monte tem gerado uma oposição generalizada,
no Brasil e no exterior. Na verdade, quase todos
concordam que é uma má idéia. O projeto foi combatida
por grupos locais e globais da sociedade civil,
condenados por cientistas, e ordenou a parar pelo
Ministério Público do Brasil. As figuras públicas e os
atores produziram um vídeo pedindo aos cidadãos a
tomar medidas para o bem das gerações futuras.
Cerca de mil povos indígenas mantiveram firmes em protesto por uma semana na frente do Congresso
brasileiro. Agitando a atenção internacional, ONGs internacionaise organismos intergovernamentais têm expressado sua desaprovação e exigiu prestação de

Belo Monte já tem um histórico de violação dos direitos humanos dos povos indígenas. O Ministério Público brasileiro ordenou a suspensão de construção por
causa de preocupações sobre violações dos direitos humanos. A Comissão Interamericana de Direitos
Humanos solicitou esclarecimentos sobre o destino dacomunidades tradicionais da bacia do Rio Xingu, especialmente sobre o impacto da contaminação da
água e deslocamento da população. Posteriormente,
a Organização Internacional do Trabalho declarou que
o fracasso do Brasil para consultas sobre o
mega-barragem violado as suas obrigações no Tratado,
a respeitar os direitos dos povos indígenaspovos.

A Belo Monte cristaliza caso a dívida do Estado
brasileiro aos povos indígenas. Desde 1991, o
Congresso tem sido deliberar sobre o Estatuto dos
Povos Indígenas e ainda não aprovou a proposta de demarcar e proteger as terras indígenas. A maioria
dos pequenos agricultores deslocados por Belo
Montenão têm título formal legal de suas terras, e
aqueles que receberam a compensação foi paga
bem abaixo do valor de mercado. De acordo com
Indígena da Igreja Católica Conselho Missionário,
434 projetos irão impactar diretamente ou
indiretamente afetar territórios indígenas. Quase 200
desses projetos são orientadospara produção de
energia, muitas delas usinas hidrelétricas.

Este é apenas um retrato da democracia dos
direitos brasileiro tem para com meio milhão de
indígenas de 227 etnias que ocupam 13 por cento
do território nacional.


A Belo Monte caso exemplifica uma certa abordagem
hidro-política. O problema não é exatamente a
teimosia do presidente Dilma, mas sim o fracasso
do governo de respeitar os direitos indígenas e de
repensar a política energética de forma coletiva diz
sobre a qualidade da democracia. Evitandoinformado,
a consulta prévia sobre a sabedoria de infra-estrutura
de mega-projetos na Amazônia torna visível o
desprezo pelos direitos dos indígenas e de autoridade, enquanto desajeitadamente recordando as políticas
da ditadura. O surdo para os críticos ea impunidade
para violar as normas internacionais evocar top-downdecisões tomadas a portas fechadas.

Depois, há o contexto regional. Nas Américas,
políticas energéticas e projetos de hidrelétricas em
particular, estão a ser impostas de forma semelhante autoritário. Presidente Obama está permitindo Shell
para perfurar no Oceano Ártico, apesar da oposição generalizada que vão desde os povos indígenas ao progresso científicogrupos. Em 14 de fevereiro de
2011, o governo colombiano violentamente removidos manifestantes que bloqueiam os planos para desviar
o rio Magdalena para a Barragem Quimbo. Em toda
a Amazônia, foi reportado que há 150 usinas
hidrelétricas previstas, 60 delas no Brasil. Os anéis
da barragem de Belo Monte o alarme por causa de
sua escala, mas Dilma não está sozinha.

Embora bem-sucedidos governos de esquerda pode
estar promovendo a inclusão sócio-econômico, suas políticas energéticas, com demasiada frequência fugir consulta e demitir o protesto social, bem como
contrárias estudos científicos. Invocando um discurso
que subjuga o meio para um fim do desenvolvimento,
Dilma justifica Belo Monte como um componente
necessário de crescimento. Mas ela, de todas as
pessoas, não deve ignorar a importância de consensual
e participativa, tomada de decisão.

Mais de uma década atrás, ganhador do Prêmio
Nobel Amartya Senstressed três aspectos importantes
em que a democracia permite o desenvolvimento.
Primeiro, ele observou, a democracia é intrínseca à liberdade - é inerentemente justo para expressar
opiniões sobre a política energética. Em segundo
lugar, a democracia é fundamental para expandir as liberdades - as pessoas têm interesse em que as
políticas de energia para se desenvolver.

Em terceiro lugar, a democracia desempenha um
papel construtivo na identificação de soluções para
os desafios de novos a crescente demanda por
energia não tem solução imediata e única exigindo
diálogos coletivos para criar novas soluções.

A política democrática é a chave para o desenvolvimento
de alternativas capazes de responsabilizar os governos nacionais e da indústria de energia global 
responsável. Belo Monte é sobre o futuro da Amazônia, tanto
quanto se trata de mineração de bauxita e indústrias
globais e as políticas estaduais que respeitem os
direitos indígenas à autodeterminação.

Para repensar a política energética - e Belo Monte –
não é ceder a visões hippies do mundo. Trata-se de reconhecer o valor da tomada de decisão coletiva.
"Quanto mais, melhor," as pessoas dizem.
Poderíamos acrescentar "a mais, o mais inteligente".

Manuela Picq acaba de completar seu tempo
como professor visitante e pesquisador da
Amherst College.

No comments:

Post a Comment